Região

Poliduto vai cortar a região do Vale do Ivaí

Da Redação ·
O agricultor Sebastião Rena, 82 anos, de Marumbi, já recebeu a visita de uma equipe no seu sítio de 10 alqueires localizado na Água do Marumbizinho
fonte: Delair Garcia, da Tribuna do Norte - Diário do Paraná
O agricultor Sebastião Rena, 82 anos, de Marumbi, já recebeu a visita de uma equipe no seu sítio de 10 alqueires localizado na Água do Marumbizinho

Proprietários de imóveis rurais e de residências do Vale do Ivaí já começaram a receber a visita de técnicos da Engefoto Engenharia e Aerolevantamento S/A, de Curitiba. A empresa foi contratada pela Companhia Paranaense de Logística (CPL) S/A para fazer o estudo de impacto ambiental para passagem de um poliduto destinado a transportar etanol de Sarandi a Paranaguá, cortando toda esta região.

continua após publicidade


A CPL, inclusive, foi criada para possível execução deste projeto logístico que congrega os interesses de algumas empresas do setor sucroalcooleiro do Paraná no sentido de baratear o custo de transporte do álcool até o Porto de Paranaguá.


De acordo com a CPL, inicialmente foram desenvolvidos estudos para a definição de um traçado básico, procurando minimizar ao máximo os impactos sociais e ambientais da instalação de um empreendimento desta dimensão. O estudo, segundo informa a empresa, foi estruturado num traçado preliminar que contempla 23 municípios, num trajeto de 502,4 quilômetros de Sarandi a Paranaguá.

continua após publicidade


Os municípios que integram este trajeto são Sarandi, Marialva, Mandaguari, Jandaia do Sul, Marumbi, Novo Itacolomi, Rio Bom, Cruzmaltina, Faxinal, Ortigueira, Reserva, Tibagi, Ipiranga, Ponta Grossa, Palmeira, Porto Amazonas, Balsa Nova, Campo Largo, Araucária, Curitiba, São José dos Pinhais, Morretes e Paranaguá.


Equipes da Engefoto já visitaram, nos últimos dias, propriedades rurais do Vale do Ivaí que estariam no trajeto do poliduto. Eles estão coletando informações técnicas sobre as áreas e esclarecendo os donos de imóveis sobre possíveis desapropriações e indenizações. O agricultor Sebastião Rena, 82 anos, de Marumbi, já recebeu a visita de uma equipe no seu sítio de 10 alqueires localizado na Água do Marumbizinho. Ele tem plantados 7,5 alqueires de cana, além de uma reserva de mata nativa.

continua após publicidade


Sebastião diz que não se importa que o poliduto passe por sua propriedade, mas teme não ser indenizado de forma justa. “Eles disseram que a indenização levará em conta o valor dos imóveis na região, mas eu acho que não pode ser assim, já que cada propriedade tem sua característica própria”, avalia.

(Leia reportagem na edição deste domingo da Tribuna do Norte – O Diário do Paraná).