Região

Paraná gera 7.937 empregos formais em abril e acelera ritmo da economia

Da Redação ·
O Paraná gerou 7.937 empregos formais em abril, o quarto saldo positivo mensal seguido, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (18), pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Com este número, o Estado fechou o quadrimestre com 22.865 novas contratações e se mantém entre os Estados mais geram empregos no Brasil. Os dados, baseados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), também apontam que a economia paranaense gerou em abril mais vagas que os demais Estados da Região Sul juntos. Em Santa Catarina, foram abertos 836 postos de trabalho e no Rio Grande do Sul 2.935 vagas. Já durante os quatro primeiros meses de 2009, o Paraná respondeu por quase metade dos 46.703 empregos formais gerados no Sul do país. No País, foram geradas 106.205 vagas de trabalho em abril e, no acumulado do ano, o saldo ficou em 48.454 empregos. O número de empregos formais gerados no Paraná, durante 2009, só é menor que o de São Paulo (67.482) e de Goiás (33.307). Minas Gerais, com quase o dobro da população do Paraná, teve saldo negativo (-2.668). O Rio de Janeiro, com população 60% maior que a do Paraná, gerou 1.792 empregos, e a Bahia, com população 50% maior, gerou 7.919 postos de trabalho, compara o secretário estadual do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Nelson Garcia.SETORES: No Paraná, os primeiros quatro meses do ano foram marcados pela alta do emprego principalmente na área de Serviços. No quadrimestre, foram abertas 15.347 vagas no setor, sendo 4.563 só em abril.A Indústria admitiu 2.600 trabalhadores no último mês e fechou o acumulado do ano com 3.298 contratações. No Brasil, o setor registrou o primeiro resultado positivo desde dezembro de 2008: saldo de 183 empregos.Na Construção Civil, foram fechados 104 postos de trabalho em abril, o que não prejudicou o resultado paranaense do quadrimestre, que atingiu um saldo positivo de 2.010 pessoas contratadas.A contratação de mão-de-obra para a colheita do milho safrinha e para a cadeia sucroalcooleira fez o setor da Agropecuária no Paraná aumentar em 356 o número de vagas de trabalho disponíveis em abril. No açulado dos quatro primeiros meses do ano foram 852 trabalhadores rurais admitidos.INTERIOR: Os municípios do interior foram responsáveis por 85% dos empregos gerados no Paraná, entre janeiro e abril de 2009. O Interior respondeu por 19.291 de todas as vagas abertas no Estado, enquanto a Região Metropolitana de Curitiba criou 3.574 postos de trabalho. A capital, sozinha, abriu 1.895 oportunidades. O secretário Nelson Garcia destacou a importância das políticas públicas adotadas pelo governo Roberto Requião na geração de empregos. Redução de impostos e qualificação de mão-de-obra estão diversificando a economia e promovendo o crescimento em todas as regiões do Estado, avaliou.Segundo o secretário, medidas adotadas pelo Governo do Paraná foram fundamentais no combate aos efeitos da crise mundial e se tornaram exemplo no Brasil. A crise atingiu todo o Brasil, mas aqui no Paraná o Governo criou ferramentas capazes de dar respostas rápidas e eficientes à turbulência\\\, destacou Garcia. O governador colocou-se ao lado da classe trabalhadora, designou um comitê em defesa do emprego, reuniu-se com estudiosos de todo o mundo para analisar a crise, criou e mantém o maior piso regional do Brasil, isentou e reduziu os impostos para micro e pequenas empresas, reduziu o ICMS de 95 mil itens de consumo salário e oferece microcrédito com os menores juros de mercados, relaciona ainda o secretário. RECORDE: Com o resultado de abril, o número de trabalhadores com carteira assinada no Paraná subiu para 2.082.949 trabalhadores. Destes, 599.917 conseguiram emprego a partir de 2003, início do governo de Roberto Requião. Para se ter idéia do que isso significa, o Paraná gerou 15 vezes mais empregos formais nos seis anos e três meses após janeiro de 2003 do que nos oito a
continua após publicidade