Sem Deus, jovens se tornam 'zumbis existenciais', diz Ministro da Educação - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Política

Sem Deus, jovens se tornam 'zumbis existenciais', diz Ministro da Educação

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou nesta quinta-feira, 10, que jovens se tornaram "zumbis existenciais" ao não acreditarem mais em Deus e também na política. O ministro participou de evento no Palácio do Planalto em que o governo lançou projeto de educação em saúde para tratar da prevenção do suicídio e da automutilação, da gravidez na adolescência, do consumo de drogas, além do combate à violência contra populações vulneráveis.

Ribeiro relacionou o aumento de doenças mentais à "desconstrução deliberada de tudo, sem colocar nada no lugar". "Não há mais juventude que acredite nas coisas como Deus, política, religião e família. Perdem referencial", disse ele, que é professor universitário e pastor presbiteriano. "Temos hoje no Brasil, motivados, creio eu, por essa quebra de absolutos e certezas, verdadeiros zumbis existenciais. Não acreditam mais em nada, desde Deus e política, não tem mais nenhuma motivação."

Segundo o ministro, essa "desconstrução" foi feita de forma deliberada. Ao criticar livros didáticos distribuídos por gestões passadas do MEC, o ministro disse que alguns "valores" não devem ser tratados "na infância ou adolescência". "Os alunos mal sabiam ler e compreender o que liam. Como ter espírito crítico se não dispõe de ferramenta mínima para dispor dessas opiniões."

A ideia do novo programa é promover cursos a distância, além de palestras, para professores de escolas públicas e privadas, líderes religiosos, profissionais de conselhos tutelares e movimentos sociais que lidam com crianças e adolescentes. O governo não divulgou o orçamento para estas ações.

No lançamento do projeto, houve críticas à discussão do Congresso para liberar o plantio de cannabis no Brasil para produzir remédios. "Abre o olho, tem uma galera aí querendo liberar maconha. O senhor sabe que desencadeia suicídio. Abre o olho no Congresso Nacional. Tá dado o recado", disse a ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves a deputados que acompanhavam o evento.

Outro ponto atacado foi a interrupção da gravidez. Vídeo institucional do programa afirma que muitas mães crianças ou adolescentes recorrem ao aborto, "tirando a vida de outro ser e pondo a própria vida em risco."

"Quando você fala de aborto, o álcool e a droga estão por trás", disse o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antonio Geraldo da Silva, ao também criticar o projeto de lei sobre o plantio da maconha.

O aborto é permitido em três situações no Brasil: quando a gravidez é resultado de violência sexual, se não há outro meio de salvar a vida da gestante e em casos de fetos com anencefalia. No fim de agosto, o Ministério da Saúde alterou uma regra para obrigar médicos e profissionais de saúde a notificarem a polícia sobre atendimento a vítimas de estupro que planejem um aborto legal. A medida foi criticada pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

Ministro da Saúde fala em desastre econômico e social pós-covid

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o Brasil enfrentará "ondas" após a pandemia, causadas pelo "desastre econômico e social". "A segunda onda são mortes causadas por doenças não tratadas", disse Pazuello, que também citou violência doméstica e depressão, automutilação e suicídio como outros grandes desafios.

O general ainda tratou do uso de medicamentos à base de maconha. Ele não avaliou o projeto de lei sobre o plantio, mas disse que o SUS trabalha para garantir o acesso aos fármacos. "Não há nenhuma restrição ao medicamento.Se é necessário, tem a certificação, que seja fornecido naturalmente pelo SUS".

Já a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, disse que liberar o plantio seria um "desastre à sociedade". O vídeo institucional do programa afirma que "maconha é a porta de entrada para drogas mais pesadas".

No 1.° ciclo de ações do programa, Damares participará de palestras de "educomunicação". Em 11 e 12 de setembro, as atividades serão no Centro Universitário Unichristus e na Igreja Ministério Canaã do Brasil, em Fortaleza. Há ainda eventos previstos, em setembro, em Belo Horizonte e Curitiba.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Sem Deus, jovens se tornam 'zumbis existenciais', diz Ministro da Educação"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.