Política

Republicanos ganha espaço entre partidos da direita

Da Redação ·

O xadrez partidário nacional tem uma nova força na direita. Com 211 prefeitos eleitos neste ano, o Republicanos entrou na lista dos dez maiores do País, sendo o mais conservador deles. Das grandes cidades, o partido vai governar Vitória, Campinas e Sorocaba, conquistadas no segundo turno, mas já havia expandido sua atuação como força eleitoral com conquistas no primeiro turno em pequenos e médios municípios, tendo ainda 2.572 vereadores que podem facilitar seu plano de fundo: ampliar a bancada federal no Congresso.

continua após publicidade

Já no primeiro mandato como deputado, o presidente do partido, Marcos Pereira (SP), chegou ao cargo de vice-presidente da Câmara e agora almeja suceder ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A eleição interna do Congresso é o próximo tabuleiro da política.

Os prefeitos eleitos pelo partido superam, por exemplo, os 183 vitoriosos do PT. Foi um ganho de mais de cem prefeituras.

continua após publicidade

Sem amarras ideológicas e com apetite por espaços no governo, o Republicanos apoiou os últimos três presidentes da República: Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer. Atualmente abriga, ainda que "de passagem", dois dos filhos parlamentares de Jair Bolsonaro: o vereador no Rio Carlos Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro (RJ).

Na bolsa de apostas, é um dos partidos aos quais o presidente pode escolher se filiar para a reeleição em 2022. Diferentemente do fracassado plano de criar o Aliança pelo Brasil, no Republicanos o clã Bolsonaro não teria o controle de verbas, nem poder de vetos, avisou a cúpula da legenda, vacinada pelas brigas que o presidente e seus filhos causaram no PSL.

Origem

continua após publicidade

O Republicanos foi criado há 15 anos com incentivo de líderes evangélicos. O partido surgiu em 2003, tendo como maior nome o ex-vice-presidente José Alencar. Desde 2011, a legenda é dirigida por Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e ex-diretor da Record TV.

O cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getúlio Vargas, considera que o Republicanos está "bem encaminhado" para crescer novamente em 2022. "Está provado cientificamente que quanto mais vereadores e prefeitos melhor é sua eleição para a Câmara dois anos depois", disse Praça.

Por outro lado, o Republicanos esforça-se para se desvencilhar de reveses na sua maior vitrine até agora, a prefeitura do Rio de Janeiro, administrada pelo prefeito Marcelo Crivella, bispo da Universal e sobrinho de Edir Macedo, o fundador da igreja.

continua após publicidade

Derrotas

As pesquisas internas que o partido encomendava já mostravam dificuldades no Rio e em São Paulo, o que faria a direção nacional resistir às candidaturas de Crivella e do deputado Celso Russomanno. As duas derrotas são atribuídas mais à má gestão do prefeito e erros de estratégia e comunicação de Russomanno. "As pessoas não rejeitaram o partido, mas sim os candidatos. Tanto que elegemos sete vereadores no Rio e quatro em São Paulo", afirmou Pereira.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.