Política

Ramos diz que 'não se lembra' de Bolsonaro falar de troca dechefe da PF no Rio

Da Redação ·

Após finalizar suas declarações à Polícia Federal e ler o termo do depoimento prestado no Palácio do Planalto na tarde desta terça, 12, o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) pediu para fazer duas retificações quanto a suas afirmações sobre o suposto momento em que o presidente teria dito que 'se não pudesse trocar o Diretor Geral da Polícia Federal ou o Superintendente da corporação no Rio de Janeiro, trocaria o próprio ministro'. A defesa do ex-ministro Sérgio Moro se opôs à retificação alegando que a modificação configuraria uma alteração material, mas o pedido ficou registrado no documento.

continua após publicidade

Segundo o termo de depoimento, ao longo da oitiva Ramos afirmou: "que não foi mencionado pelo Presidente que se não pudesse trocar o Diretor Geral da Policia Federal ou o Superintendente da Policia Federal no Estado do Rio de Janeiro, ele trocaria o próprio Ministro" e "que na presença do depoente (Ramos) isso não foi dito na reunião do dia 22 de abril ou em qualquer outro momento".

Após a leitura documento, Ramos pediu para que as frases constassem como: "que não se recorda se foi mencionado pelo Presidente que se não pudesse trocar o Diretor Geral da Polícia Federal ou o Superintendente da Policia Federal no Estado do Rio de Janeiro. ele trocaria o próprio Ministro" e "que não se lembra se na presença do depoente isso foi dito na reunião do dia 22 de abril ou em qualquer".

continua após publicidade

Ao longo da oitiva, Ramos indicou que o presidente Jair Bolsonaro queria 'interferir em todos os ministérios' para 'melhorar a qualidade de relatórios de inteligência'. Segundo o general, os documentos foram alvo de críticas declaradas 'de forma contundente' durante a reunião ministerial do dia 22 de abril.

Na mesma ocasião, o presidente disse que, a 'título de exemplo', se ele não estivesse satisfeito com sua segurança pessoal realizada no Rio de Janeiro' poderia trocar 'até o ministro' responsável, afirmou Ramos.

O ministro também afirmou à PF que o presidente 'nominou os órgãos da ABIN, Forças Armadas, Polícia Federal e Polícia Militar dos Estados' na reunião do dia 22 de abril.

continua após publicidade

No entanto, após a exibição do vídeo da reunião ministerial do dia 22, Bolsonaro afirmou que a gravação não contém as palavras 'Polícia Federal', 'investigação' nem 'superintendência'. "Vocês vão se surpreender quando esse vídeo aparecer", disse o presidente nesta terça, 12, na rampa do Palácio do Planalto. Na manhã desta quarta, 13, o presidente reforçou que não menciona a Polícia Federal no vídeo e disse que Ramos se 'equivocou'.

A referência à PF durante a reunião também foi comentada pelo ministro Augusto Heleno (GSI) que disse em depoimento que o presidente 'cobrou de forma generalizada todos os Ministros na área de inteligência'.

De acordo com o general, o presidente reclamou 'da escassez de informações de inteligência que lhe eram repassadas para subsidiar suas decisões, fazendo citações especificas sobre sua segurança pessoal, sobre a ABIN, sobre a PF e sobre o Ministério da Defesa'.