Política

PSDB retira pré-candidatura ao governo do Paraná e deve apoiar Ratinho Jr.

Ederson Hising, especial para o Estadão (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A pré-candidatura de César Silvestri Filho (PSDB) ao governo do Paraná não decolou e os tucanos decidiram recuar e lançar o ex-deputado estadual e ex-prefeito de Guarapuava (PR) na disputa ao Senado. A convenção estadual da federação PSDB-Cidadania ocorreu na noite de quarta-feira, 20, em Curitiba, a portas fechadas e apenas com os membros das cúpulas do partidos. A federação indicou 52 nomes para deputado estadual e 29 para deputado federal.

continua após publicidade

O PSDB tinha seis votos, enquanto o Cidadania, que integra o governo Ratinho Junior (PSD), contava com cinco. "Nossa decisão foi tomada há tempos, antes do César (Silvestri) ir para o PSDB. Sempre fomos claros que apoiaríamos a reeleição do atual governador, até a Cristina (Silvestri, deputada estadual pelo Cidadania e mãe de César) fez parte e aprovou", conta Rubens Bueno, deputado federal e presidente do Cidadania no Paraná.

Os partidos adotaram o discurso de que a candidatura de Silvestri Filho ao Senado é a decisão que une a federação, embora tenha desagradado o ex-deputado. "Não foi a minha vontade que mudou. Ela permaneceu até o último minuto. O que se impôs foi criar unidade na federação", alega o indicado ao Senado.

continua após publicidade

Silvestri Filho passou pelo PPS, atual Cidadania, e pelo Podemos antes de se filiar ao PSDB. À época, a mudança teve relação com a tentativa de João Doria (PSDB) de disputar a Presidência da República, o que não se configurou. "Não nego que isso tirou o argumento do projeto nacional", diz. "De certa maneira, a divisão dentro de casa acabou fragilizando e minando a candidatura ao governo", avalia.

No Estado, os tucanos, que têm quadros ligados ao atual governo, falam em neutralidade em relação à corrida ao Palácio Iguaçu. Pela segunda eleição consecutiva, o partido que teve o governador entre 2011 e 2018 não concorrerá ao cargo. Em 2018, o PSDB apoiou a candidata derrotada Cida Borghetti (PP), tendo o ex-governador Beto Richa (PSDB), presidente estadual do partido, como candidato ao Senado - antes de ser preso e desistir da disputa. Agora, os tucanos miram no fortalecimento das candidaturas à Câmara dos Deputados.

"O PSDB do Paraná passou até 2018 muito a reboque da votação do Beto Richa, e ele nunca foi um político que fizesse questão de estruturar o partido. Ele dava mais espaço para os demais partidos que faziam parte da composição do governo", avalia o cientista político e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Emerson Cervi. Para ele, também houve nacionalmente um período de "absoluta decadência" do PSDB.

continua após publicidade

Tucano agora terá de enfrentar Alvaro Dias e Moro

Silvestri Filho figurava na terceira colocação nas pesquisas de intenção de votos divulgadas durante a pré-campanha, atrás de Ratinho Junior, com possibilidades de vencer no primeiro turno, e do ex-governador e ex-senador Roberto Requião (PT). A disputa também ganhou um novo nome. O ex-deputado federal Ricardo Gomyde (PDT) foi indicado em convenção do partido, que chegou a negociar apoio a Requião.

Na corrida ao Senado, o tucano terá de encarar um cenário dominado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) e pelo ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (União Brasil), que lideram as pesquisas. Outro concorrente é Paulo Martins (PL), candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), e que poderá receber apoio também do governador.

"(Silvestri) Não saía dos poucos percentuais. Não havia alterado nada até aqui na disputa ao governo. O mesmo pode valer para a candidatura ao Senado. Ele está entrando num perfil de eleitorado já muito ocupado por Alvaro e Moro. Pode, no máximo, interferir numa votação mais regionalizada, no centro-sul do Paraná", indica o cientista político.