Procuradoria recorre ao STJ para destrancar ação penal do cartel do metrô - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Política

Procuradoria recorre ao STJ para destrancar ação penal do cartel do metrô

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para destrancar a ação penal contra nove acusados de lavagem de dinheiro no caso do "cartel do metrô" de São Paulo. O processo havia sido trancado parcialmente em outubro do ano passado após o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) atender habeas corpus de um empresário investigado - os efeitos foram estendidos a outros quatro acusados.

A denúncia apresentada em 2017 acusou dois ex-diretores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), seis executivos de multinacionais e um lobista de integrar esquema de propina e lavagem de dinheiro de ao menos R$ 26,3 milhões. Os repasses foram contrapartida pelo contrato do sistema de transporte sobre trilhos da Linha 5 do Metrô de São Paulo, firmado em 2000.

A Procuradoria se baseou no acordo de leniência - um tipo de delação premiada para empresas - fechado pela Siemens em maio de 2013 com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A empresa admitiu fraudes em licitações do metrô de São Paulo entre 1998 e 2008, o que levou às investigações sobre o cartel firmado junto da Alstom, Mitsui, CAF, Daimler-Chrysler Rail e ADTranz, sob nome Consórcio Sistrem.

As propinas pagas pelo contrato da Linha 5, segundo o MPF, eram repassadas de acordo com o avanço das obras por meio de contratos fictícios firmados com empresas brasileiras e offshores no exterior.

No ano passado, o executivo Carlos Alberto Cardoso de Almeida apresentou habeas corpus alegando que teria sido denunciado por lavagem de dinheiro sem prova de ato de corrupção. Por unanimidade, o TRF-3 trancou a ação penal relacionada ao empresário, e, posteriormente, estendeu os efeitos a quatro denunciados.

A Procuradoria recorreu e o TRF-3 autorizou o envio do processo para análise do STJ.

"É prematuro determinar o trancamento da ação penal em casos nos quais a denúncia aponta de forma adequada e minimamente a conduta delituosa, sustentando de forma plausível determinada adequação típica, de forma a possibilitar o exercício do contraditório e ampla defesa, notadamente em hipóteses de reconhecida complexidade da operação criminosa", afirmou a desembargadora Consuelo Yatsuda Moromizato Yoshida.

O caso será enviado ao STJ, que deverá decidir se destranca ou não a ação penal contra os acusados.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Procuradoria recorre ao STJ para destrancar ação penal do cartel do metrô"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.