MAIS LIDAS
VER TODOS

Política

PF prende novos suspeitos no caso Marielle

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quinta-feira, 9, dois novos suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco. Um deles é Robson Calixto da Fonseca, conhecido como "Peixe", ex-assessor do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Jan

Rayssa Motta e Fausto Macedo (via Agência Estado)

·
Escrito por Rayssa Motta e Fausto Macedo (via Agência Estado)
Publicado em 09.05.2024, 10:36:00 Editado em 09.05.2024, 10:44:10
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quinta-feira, 9, dois novos suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco. Um deles é Robson Calixto da Fonseca, conhecido como "Peixe", ex-assessor do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). Ele trabalhava no gabinete do conselheiro Domingos Brazão, que é apontado como um dos mandantes do crime ao lado do irmão, o deputado Chiquinho Brazão, e do delegado Rivaldo Barbosa.

continua após publicidade

O segundo suspeito é o policial militar Ronald Alves de Paula, o "Major Ronald", apontado como ex-chefe da milícia da Muzema, na zona oeste do Rio. Ele já cumpria pena por homicídio e ocultação de cadáver em presídio federal em Campo Grande (MS).

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu as prisões preventivas, que foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

continua após publicidade

Os dois foram citados na delação do atirador Ronnie Lessa. Quando entregou o relatório final da investigação, no mês passado, a Polícia Federal justificou que ainda não tinha provas suficientes para pedir o indiciamento deles, apesar da "verossimilhança" do relato de Ronnie Lessa e dos "vínculos escusos" do assessor e do policial militar.

Robson Calixto seria o "homem de confiança" da família Brazão. Antes de ser indicado para o cargo comissionado no Tribunal de Contas, foi assessor de Domingos Brazão na Assembleia Legislativa do Rio. A investigação aponta que ele intermediou a primeira reunião do enlace do crime, nas intermediações de um hotel na Barra da Tijuca.

A execução da vereadora teria sido motivada pela exploração imobiliária em áreas dominadas pela milícia, especialmente em comunidades em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Política

    Deixe seu comentário sobre: "PF prende novos suspeitos no caso Marielle"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!