Política

Pelo 3º dia seguido, ministério atrasa divulgação de dados sobre covid-19

Da Redação ·

Pelo terceiro dia consecutivo, o Ministério da Saúde irá divulgar balanço de infectados e mortos pela covid-19 no Brasil apenas após 22h. Desde o começo de maio, o anúncio era feito por volta das 19h.

continua após publicidade

Para justificar o atraso, a pasta informou nesta sexta-feira, 5, que os dados são fornecidos por secretarias de Estados e municípios e, em alguns casos, há "necessidade de checagem junto aos gestores locais".

A divulgação tem sido feita cada vez mais tarde. No começo da pandemia, ainda na gestão de Luiz Henrique Mandetta (DEM), a situação epidemiológica era apresentada diariamente em entrevista à imprensa. Desde o começo de maio, na gestão de Nelson Teich, os dados passaram a ser divulgados à noite e são comentados por técnicos apenas em declarações a jornalistas no dia seguinte.

continua após publicidade

O Ministério da Saúde nega atraso proposital. "Essas situações podem acontecer, porque esse processo de checagem é muito variável", disse o secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário na quinta-feira, 4.

A primeira divulgação às 22h ocorreu na quarta-feira, quando o Brasil confirmou, em 24h, que covid-19 era a causa de 1.349 mortes que estavam em análise, dado recorde. No dia seguinte, novo recorde: 1.473 no mesmo período.

O número de vítimas do novo coronavírus confirmadas de um dia para o outro não significa que todas as mortes ocorreram neste período. Os dados consideram investigações de óbitos que só foram encerradas nas últimas 24h, mas podem ter ocorrido semanas antes.

continua após publicidade

O dia com maior número de mortes (670) pela covid-19 no Brasil foi 12 de maio, segundo dados de quarta-feira, 3. Há, porém, ao menos 4.159 mortes em investigação, o que irá redistribuir os registros de vítimas e pode alterar a data de recorde de mortes.

Desde a saída de Mandetta, a comunicação do Ministério da Saúde tem sido esvaziada pelo Palácio do Planalto. Segundo técnicos da pasta, é uma imposição de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, parar de divulgar nas redes sociais da Saúde o número diário de mortes confirmadas. Agora, o ministério divulga nas redes sociais o "placar da vida", que destaca o número de recuperados.

O número de recuperados, comemorado pelo governo, porém, espelha um dado negativo: o de infectados. Quanto maior a soma de pacientes, maior será o de recuperados.

continua após publicidade

As entrevistas da Saúde à imprensa também perderam protagonismo. Antes, o ministro ou o "número 2" da pasta, secretário-executivo, conduziam as declarações ao lado de técnicos da Secretaria de Vigilância Sanitária.

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, porém, não participa das coletivas. As perguntas ao ministério têm sido respondidas por secretários substitutos, que se negam a responder temas mais espinhosos.