Política

Partido Progressistas anuncia apoio a Rodrigo Pacheco no Senado

Da Redação ·

A definição de alianças em torno da disputa pela presidência do Senado tem avançado na Casa após o lançamento nesta terça-feira, 13, da candidatura de Simone Tebet (MS) pelo MDB. O candidato do atual presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Rodrigo Pacheco (DEM-MG), conquistou nesta quarta, 13, o apoio do Progressistas, com 7 senadores, enquanto Tebet conseguiu a adesão da bancada do Cidadania, com 3 senadores, e também do Podemos, que tem 9 senadores. No entanto, apesar da confirmação do Podemos, integrantes da bancada não descartam lançar candidato próprio caso a campanha de Tebet não consiga se mostrar competitiva diante do bloco formado em torno de Pacheco.

continua após publicidade

Em campanha explícita há algumas semanas, Pacheco reuniu até aqui 38 senadores, somada já a bancada do Progressistas. A adesão consolida a aproximação do presidente Jair Bolsonaro com o candidato de Alcolumbre. O presidente do Progressistas e líder do partido no Senado, Ciro Nogueira (PI), justificou o apoio classificando Pacheco como um nome reformista, cuja atuação será decisiva para a recuperação da economia do país em meio à crise provocada pela covid-19.

"Acreditamos que o senador Rodrigo Pacheco se identifica com os anseios progressistas de unificar o Senado Federal em torno de projetos que vão garantir a retomada do crescimento econômico do país pós-pandemia e as reformas de que o Brasil precisa", diz a nota divulgada pelo PP, a oitava bancada fechada com Pacheco (DEM, PSD, PT, PL, PROS Republicanos, PSC e PP).

continua após publicidade

Além do MDB, que tem a maior bancada da Casa, com 15 senadores, Simone Tebet conta agora com os 3 senadores do Cidadania e 9 do Podemos, a terceira maior bancada da Casa. Tebet lançou sua candidatura procurando se apresentar como uma opção para o comando do Senado mais independente de Bolsonaro que Pacheco, candidato pelo qual o presidente já declarou "simpatia".

O Podemos, que faz oposição interna ao atual presidente da Casa, Davi Alcolumbre, anunciou sua decisão após uma sabatina informal dos integrantes da legenda com a emedebista. Nas negociações com Tebet, o partido pediu a primeira vice-presidência do Senado (atualmente, tem a segunda vice), mas essa negociação ainda depende das conversas com outros partidos.

A senadora se identifica com as pautas defendidas pelo Podemos, entre elas a defesa da Operação Lava Jato, justamente o que levou o PT a recusar uma aliança com a candidata do MDB. Apesar do anúncio, o partido da Lava Jato, como é conhecido, ainda está dividido. Integrantes da sigla afirmam que, se Tebet não conseguir viabilizar uma candidatura forte, capaz de bater o candidato de Alcolumbre, poderão lançar candidaturas próprias em forma de protesto. Até o fim do dia, Tebet espera consolidar um bloco também com PSDB e PSL. Juntos com o MDB, Cidadania e Podemos, esses partidos somariam 36 senadores, número habilitado de fato a fazer frente ao bloco já reunido por Pacheco, que tem 38 senadores.