Política

Para Tasso, aliança de centro não precisa ser liderada por candidato do PSDB

Da Redação ·

O senador Tasso Jeressati (PSDB-CE) defendeu neste domingo, 20, a unidade do seu partido, o PSDB, e considerou como uma "possibilidade concreta" a formação de uma aliança de centro para concorrer contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, atualmente sem partido, e o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição presidencial do ano que vem. Ao participar de videoconferência do grupo Parlatório, Tasso sustentou que a viabilidade de uma candidatura alternativa, a chamada terceira via, na corrida ao Palácio do Planalto vai depender da pressão popular pelo lançamento de um candidato que não precisará ser necessariamente do PSDB.

continua após publicidade

"Se houver pressão da opinião publica, a possibilidade se torna mais concreta ainda", disse Tasso. "Não precisa ser do nosso partido PSDB", acrescentou o parlamentar, referindo-se ao nome que lideraria a coalizão e angariaria o maior apoio na população.

Tasso citou o ex-presidente da República Michel Temer e o ex-ministro e ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro - ambos presentes na mesma reunião virtual - entre as "figuras centrais" no processo de aglutinação de forças de centro. "São atores fundamentais para que esse processo chegue."

continua após publicidade

Durante a live, o senador também fez uma defesa da adoção do parlamentarismo. "Eu sou parlamentarista, defendo que esse parlamentarismo seja adaptado à nossa cultura, história e tradição. Essa é uma das bases do nosso partido, o PSDB. Hoje, muitos senadores já se posicionam a favor do parlamentarismo", comentou Tasso.

Mas ele ponderou que a mudança de sistema de governo depende de uma reforma eleitoral totalmente diferente da discutida recentemente. "O 'distritão' seria a destruição dos partidos", afirmou.