Política

No Rio, Castro já ensaia projeto de reeleição

Da Redação ·

Desde que o impeachment encerrou precocemente o mandato de Wilson Witzel (PSC), em abril, o novo governador do Rio, Cláudio Castro (PL), passou a preparar a sua tentativa de reeleição. Coincidentemente, um dos grandes ativos do ex-interino para 2022 surgiu no mesmo dia em que Witzel foi cassado.

continua após publicidade

Foi o leilão de concessão da Cedae, a estatal de água do Estado, que rendeu aos cofres fluminenses R$ 22,7 bilhões. A bolada, em tese, dará ao mandatário recursos e chance de deixar uma marca no Estado, tornar-se conhecido do eleitorado e tentar um novo mandato.

O dinheiro chega no momento em que Castro começa a mexer as peças para construir o seu projeto eleitoral.

continua após publicidade

Na semana passada, o governador foi a Brasília se filiar ao PL - até então, continuava no mesmo PSC de Witzel. A sigla do ex-deputado Valdemar da Costa Neto, preso e condenado no mensalão, passa a ter o Rio como único Estado sob seu comando. Com estrutura partidária consistente, a nova casa do governador controla hoje 22 prefeituras fluminenses, quase um quarto do total de 92 municípios do Rio.

Embalados pelo dinheiro da Cedae, projetos de infraestrutura e eventos ligados a programas sociais devem marcar o próximo ano de Castro, ansioso por popularidade. Até 2018 um vereador discreto, tido como bom de bastidores, o cantor católico teve a vida transformada radicalmente após a vitória eleitoral ao lado de Witzel. A mudança tornou-se ainda mais profunda menos de dois anos depois. Foi quando aconteceu o afastamento do ex-governador por suspeitas de corrupção na Saúde durante a pandemia.

Em seu caminho para tentar a sonhada reeleição, Castro terá um desafio. Deverá tentar se equilibrar entre dois perfis: o de político bem articulado com diferentes setores e o de aliado Jair Bolsonaro. Um dos poucos governadores considerados próximos ao presidente, Castro passou a ser chamado de "negacionista" pela oposição nos últimos meses, depois de atitudes consideradas contrárias ao combate à covid. Em março, promoveu uma festa de aniversário na Região Serrana que gerou aglomeração e críticas.

continua após publicidade

Castro e aliados buscam criar roupagem de centro-direita para uma composição eleitoral. Além do PL, entrariam na aliança partidos como DEM, Republicanos, Solidariedade, PP e PSL.

O DEM, aliás, era um dos destinos cotados pelo governador antes de escolher a nova casa. A legenda passa por reformulação após o racha entre seu presidente, ACM Neto, e o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.