Política

Nise: decreto sobre cloriquina não deveria avançar porque 'exporia' Bolsonaro

Da Redação ·

A médica Nise Yamaguchi orientou o tenente-médico Luciano Azevedo a não avançar com a proposta de um decreto relacionado à cloroquina porque o ato "exporia muito" o presidente Jair Bolsonaro. O recado de Nise foi lido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado, no depoimento dela, a partir de documentos entregues pela médica para dar força à própria versão sobre a reunião no Palácio do Planalto em que se discutiu a recomendação do remédio.

continua após publicidade

Nise voltou a dizer que o decreto não tratava de alteração na bula da cloroquina. "A última mensagem que a senhora troca com Luciano: 'Oi, Luciano, esse decreto não pode ser feito assim porque não é assim que regulamenta a pesquisa clínica, tem normas próprias, exporia muito o presidente'", leu o vice-presidente da CPI da Covid-19 no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que defendeu a convocação de Azevedo para falar à comissão.

A médica reforçou a preocupação manifestada na mensagem a Azevedo e disse que seria um "absurdo" que o decreto fosse levado adiante. "Imagina um decreto que faz acesso a medicação e o presidente assina. É um absurdo isso", afirmou. Segundo Nise, a minuta não teria chegado às mãos de Bolsonaro. "Nunca se faz um decreto para fazer pesquisa clínica ou bula. Tanto é que isso nunca foi para a mão do presidente", disse. Nise afirmou também que não teve acesso à proposta de decreto enquanto estava no encontro que ocorreu no palácio e que só teria recebido o documento mais tarde.