Política

'Não são 2 ministros do STF que vão decidir o destino da nação', diz Bolsonaro

Da Redação ·

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender hoje a impressão de votos no Brasil, embora siga sem apresentar provas de que há fraudes no sistema eleitoral. Após "motociata" em Florianópolis (SC), transmitida pelas redes sociais, ele discursou para apoiadores.

continua após publicidade

"Venho advertindo que temos que ter eleições limpas no Brasil. Quem não quer eleições limpas e contagem pública de votos pode ser tudo, mas não é democrata, e quem não é democrata não tem espaço no nosso Brasil", afirmou Bolsonaro.

Ele defendeu novamente o voto impresso e auditável. "Quem decide as eleições são vocês. Não vai ser um ou dois ministros do STF que vão decidir o destino de uma nação. Quem tem legitimidade além do presidente (da República) é o Congresso Nacional", declarou.

continua após publicidade

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda o sistema de votação foi derrotada na comissão especial, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), disse ter decidido levar para o plenário a discussão sobre o voto impresso.

Bolsonaro falou sobre venezuelanos que vieram para o Brasil e ironizou que "centenas de pessoas por dia fogem do paraíso socialista da Venezuela" para cá. "Nós sabemos como aquele regime começou, quem apoiou aquele regime, não preciso dizer que é o bandido de nove dedos", disse, sob gritos de "Lula ladrão", referindo-se ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).