Política

Moro: prefiro ser alvo do Bolsonaro do que ser cúmplice dele

Moro disse também ter "orgulho" de não ter protegido o presidente

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia Moro: prefiro ser alvo do Bolsonaro do que ser cúmplice dele
fonte: Arquivo/Agência Brasil

A política está "pegando fogo" no país atualmente. O que comprova isso é a troca de farpas entre os possíveis candidatos à Presidência nas eleições de 2022. 

continua após publicidade

Um exemplo disto, é o ex-ministro Sergio Moro (Podemos). O ex-juiz concedeu uma entrevista À Rádio Tupi, nesta quinta-feira (9), e alegou que prefere ser alvo de ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seus apoiadores do que ser "cúmplice" do governo federal. 

Moro deixou o cargo de ministro da Justiça em 2020 após Bolsonaro decidir exonerar o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, homem de confiança do ex-juiz. Então, Moro deixou o governo dizendo que o presidente tinha o intuito de interferir na PF.

continua após publicidade

Além disso, o pré-candidato relatou que percebeu “progressivamente” que o presidente não apoiava suas pautas quando estava no Ministério da Justiça e classificou a atitude de Bolsonaro como uma “sabotagem” ao seu trabalho.

Um exemplo de "sabotagem", segundo Moro, foi Bolsonaro sancionar a lei do pacote anticrime em 2019, mesmo após o ex-ministro pedir para vetar o texto. 

Ainda de acordo com o ex-juiz, o texto original da lei era o ideal, mas as modificações do projeto ao passar na Câmara afetaram demais às medidas previstas “que prejudicavam o combate à corrupção” e, por isso, queria o veto completo do texto, o que não foi concedido pelo mandatário.

Para finalizar, Sergio Moro afirmou ter "orgulho" de não ter protegido Jair Bolsonaro e membros do governo de investigações, como, por exemplo, da Polícia Federal, Receita Federal e do Conselho de Controle de Atividades Financeiras. 

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News