Ministro das Comunicações compartilha vídeo com ataques à imprensa - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Política

Ministro das Comunicações compartilha vídeo com ataques à imprensa

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Integrantes do governo e aliados divulgaram neste sábado, 15, um vídeo exaltando a gestão do presidente Jair Bolsonaro e fazendo críticas à imprensa, com a afirmação de que "notícia boa jamais será divulgada". O filme sem autoria identificada foi publicado pela primeira vez no Twitter pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria, com a hashtag #AcrediteNoBrasil, que se tornou um dos assuntos mais comentados na rede social.

"Desgraça é matéria-prima dos maus e infelizmente não vão parar. Felizmente nós também não", diz o vídeo que chegou a ser publicado no canal do Ministério das Comunicações no Youtube, mas depois foi apagado.

Questionada pela reportagem, a pasta informou que não se trata de uma campanha e que o vídeo foi feito por um apoiador que o enviou a Fábio Faria, que gostou da mensagem e publicou nas redes sociais. O nome do responsável pela produção, no entanto, não foi divulgado.

Questionado sobre o fato de o vídeo ter sido retirado do ar, a pasta disse que foi apagado por erro e que seria republicado.

Além de Faria, também compartilharam o filme os ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Damares Alves (Família, Mulher e Direitos Humanos) e Onyx Lorenzoni (Cidadania), além dos deputados Eduardo Bolsonaro e Carla Zambelli, ambos do PSL-SP.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, o presidente Jair Bolsonaro elogiou o conteúdo do vídeo, pela "qualidade e conteúdo".

Desde que o Brasil ultrapassou as 100 mil mortes pela covid-19, há uma semana, o presidente passou a cobrar da equipe do ministro das Comunicações uma resposta à cobertura do assunto pela imprensa, principalmente do Jornal Nacional, da Rede Globo.

O vídeo, feito com locução profissional e legendado, traz logo no início a imagem de Bolsonaro sendo atingido pela facada de Adélio Bispo, durante ato de campanha em 2018. Na sequência, usa a imagem do maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima que, nas Olimpíadas de Atenas em 2004, foi agarrado por um ex-padre, além do momento em que o então jogador Ronaldo, em partida pela Inter de Milão, lesionou o joelho.

"Sempre soubemos que eles tentariam de tudo para nos parar. Mas brasileiro sabe como é, né?! Acredita, mesmo quando ninguém acredita. Luta, mesmo quando não se tem força. Porque a grande verdade é que nos tornamos especialistas em não desistir", diz o locutor.

Sem citar as mortes pela pandemia do coronavírus, o vídeo exibe medidas, títulos de reportagens econômicas e diz que "mesmo agora, no momento mais difícil, vamos continuar fazendo de tudo para ajudar quem mais precisa, sem marketing sensacionalista e sem discursos políticos".

Em seguida, surge a imagem desfocada dos apresentadores do Jornal Nacional, William Bonner e Renata Vasconcellos, e notícias de sites. O locutor diz que "muita coisa foi feita graças aos cortes da corrupção e não faltaram recursos destinados a todas as necessidades que essa crise nos proporcionou".

Após a saída do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, o governo vem sendo criticado por falta de ações no combate à corrupção. O vídeo segue com a afirmação: "Mas sabemos que notícia boa nunca será divulgada, porque não é do interesse deles que você seja livre e vão continuar se aproveitando dessa crise para buscar seus próprios interesses porque desgraça é matéria-prima dos maus e infelizmente não vão parar. Felizmente nós também não", encerra o vídeo.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Ministro das Comunicações compartilha vídeo com ataques à imprensa"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.