Política

Malucelli percorre estado para viabilizar pré-candidatura

Coronel PM reformado e presidente da Fetranspar, prioriza pautas de transporte e segurança

Da Redação ·

O presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), Coronel Sérgio Malucelli percorre o estado numa agenda política para consolidar a pré-candidatura a deputado estadual. Em sua pauta, as demandas do setor de transporte de cargas e da segurança pública.

continua após publicidade

Malucelli, que foi candidato a vice-governador nas últimas eleições, na chapa encabeçada pela então governadora Cida Borghetti, também espera definir em breve sua filiação partidária. Mas confessa que, embora tenha convites de seis partidos, há um “aceno muito forte” para voltar ao partido de que é um dos fundadores, o PSD. “Não tenho compromisso firmado com nenhum partido, mas tenho esses convites”, disse.

O militar reformado, que também preside o SEST/SENAT (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte), informou que seu futuro partidário também depende de contatos com o governador do Estado, Ratinho Júnior (PSD). “Quero falar com ele pessoalmente”, disse.

continua após publicidade

Enquanto não define o partido, Coronel Malucelli continua sua agenda pelo estado para ouvir líderes e apoiadores sobre suas pautas. “O transporte depende de infraestrutura rodoviária. Uma infraestrutura ruim aumenta o custo operacional do transporte em 38%, prejudicando o setor e toda a economia no Estado”, justifica.

Na pauta de segurança, diz que trabalha para recuperar a auto-estima da corporação e para reaproximá-la do governo do Estado. “Acho que está um pouco distante. Precisamos, por exemplo, fazer com que a PM e a Polícia Civil sejam autodeterminadas, com seus orçamentos próprios, que tenham independência administrativa”, afirma.

Segundo ele, a segurança pública depende de investimentos em pessoal, para aumentar os quadros, e também em tecnologia. “É assim que se torna possível resolver problema de sobrecarga de trabalho hoje, que castiga as corporações com jornadas excessivas, é assim que se melhora as condições para que o estado dê uma pronta resposta mais rápida às demandas de nossas populações, em todo o Estado”.