Política

Lula age para minar Ciro e PT oferece apoio nos Estados ao PDT

Da Redação ·

O comando da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto aumentou a pressão para que o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) desista da disputa. Nos últimos dias, o próprio Lula entrou nas articulações, com o objetivo de atrair o PDT para a aliança em torno de sua candidatura. Pesquisas de intenção de voto indicam que, se Ciro sair do páreo, a maioria de seus eleitores deve migrar para Lula.

continua após publicidade

A cúpula do PT tem oferecido apoio a mais candidatos do PDT nos Estados, dispondo-se até mesmo a desfazer acertos firmados anteriormente. Na lista das ofertas estão o Rio - onde a Executiva petista aprovou a aliança com o deputado Marcelo Freixo (PSB) ao governo -, o Ceará e o Maranhão.

Oficialmente, o PT não admite que possa rifar Freixo. O argumento é o de que Lula terá dois palanques no Rio, assim como no Maranhão, por exemplo. Mas, nos bastidores, o PT pode apoiar o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves (PDT) ao governo fluminense, caso uma eventual desistência de Ciro entre no acordo.

continua após publicidade

No Ceará, o PT deflagrou uma estratégia para encurralar Ciro. Desde que o petista Camilo Santana renunciou ao governo para concorrer ao Senado, PT e PDT têm trocado farpas. Agora, o partido de Lula quer aderir à campanha pela reeleição da governadora Izolda Cela, contra o grupo de Ciro, que defende o nome do ex-prefeito de Fortaleza Roberto Claudio. Ex-petista, Izolda integra as fileiras do PDT, mas sofre resistências.

No Maranhão, embora o PT apoie o governador Carlos Brandão (PSB), há negociações em curso com o senador Weverton Rocha (MA), o pré-candidato do PDT que chama Lula de "meu amigo".

GESTO

continua após publicidade

Em cerimônia que serviu como despedida de Camilo do governo do Ceará, no mês passado, Ciro ouviu gritos pró-Lula ao discursar, em Barbalha (CE). Irônico, sorriu, fazendo gestos com a mão que simbolizam "roubo".

Um mês depois, numa reunião virtual com militantes do PT, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu disse que o PDT deve abandonar Ciro para aderir à campanha de Lula. O pré-candidato reagiu e publicou nas redes sociais que Dirceu - com quem trabalhou no governo Lula, quando foi ministro da Integração Nacional -, havia planejado e executado "o mensalão e o petrolão".

"É bom que todo mundo saiba que esse acordo (entre o PDT e o PT) vai acontecer se o interesse do Ceará estiver acima. Se for com negócio de conchavo, de picaretagem, eu topo enfrentar o PT também", disse Ciro. "Eu não vou me submeter a um lado corrupto do PT, que também existe no Ceará."

continua após publicidade

Para o deputado José Guimarães (PT-CE), que integra a campanha de Lula, a bancada do PDT deve encolher, caso Ciro não recue. "O PDT está em uma encruzilhada histórica", observou ele.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, afirmou que o partido não desistirá de Ciro. "A candidatura do Ciro já foi homologada pelo diretório. Só falta a convenção legal", insistiu o dirigente.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.