Política

Luana: importante que responsável por secretaria que conduziria tenha autonomia

Da Redação ·

A médica infectologista Luana Araújo afirmou que, à época em que foi cotada para assumir a Secretaria de Enfrentamento à Covid-19, do Ministério da Saúde, o ministro Marcelo Queiroga "prontamente entendeu e atendeu" o pedido por autonomia da órgão. Segundo a especialista, durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, "numa situação de tamanha importância e tamanha complexidade, que seria a condução dessa secretaria, é importante que o responsável tenha essa autonomia para coordenar os trabalhos".

continua após publicidade

"Se eu me compreendesse cerceada num nível fundamental para exercício do meu trabalho, não faria mais parte dessa estrutura", afirmou Luana. A médica atuou como chefe da secretaria por dez dias. Segundo Queiroga, era necessária "validação política para a nomeação".

Durante a audiência pública, a médica defendeu a imunização em massa e medidas para restringir a circulação do vírus, bem como criticou o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença. As ideias expostas vão na linha contrária do que defendem governistas e aliados do presidente Jair Bolsonaro.

continua após publicidade

A médica também destacou que "autonomia não é liberdade plena". "Todos fazemos parte de uma estrutura, é preciso que haja respeito, integração, cooperação, mas isso não pode significar cerceamento ou falta de autonomia. Esse equilíbrio às vezes é frustrante e complexo, mas reitero que em nenhum momento fui cerceada", afirmou ao colegiado.