Política

José Alberto Simonetti: 'A Ordem não pertence a partidos, mas a advogados'

Da Redação ·

O advogado José Alberto Simonetti, que assume hoje a presidência do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), afirmou que sua gestão terá como foco questões que interessam diretamente à classe, buscando "reaproximar" os advogados da entidade. O novo presidente disse que a Ordem estará atenta às eleições de outubro, mas ressaltou que ela "não pertence a absolutamente nenhum partido político". "A Ordem pertence verdadeiramente à advocacia." Com um perfil menos combativo que seu antecessor, Felipe Santa Cruz, Simonetti foi eleito ontem na votação dos 81 conselheiros federais.

continua após publicidade

As eleições das seccionais foram marcadas pelo debate sobre a política de paridade de gênero e cotas raciais. Sua gestão vai buscar ampliar esse debate?

Fui um grande defensor da aprovação da lei da paridade de gêneros entre homens e mulheres e também da implementação de cotas raciais. Conseguimos fazer a aprovação desses dois temas no pleno. Conseguimos superar o princípio da anualidade, para que pudessem estar implementadas nas últimas eleições. E assim foi feito. Então hoje nós temos um pleno muito mais plural. Foram cinco mulheres eleitas para presidências de seccionais. Isso traz uma alegria enorme para o sistema.

continua após publicidade

Quais são as prioridades de sua gestão?

A gestão deflagrará um censo para que nós possamos conhecer a fundo as necessidades da advocacia brasileira, atentos para as peculiaridades e regionalidades. A partir desse censo implementaremos políticas de resgate à incessante, intransigente e inflexível defesa das prerrogativas. Uma vigilância sobre a aplicação da lei de abuso de autoridade, que já traz consigo um tipo que criminaliza a violação das prerrogativas. Exatamente a questão dos honorários nos é muito cara.

Como será a atuação da OAB no contexto político?

continua após publicidade

A Ordem continuará cumprindo o seu papel constitucional, colaborando para o equilíbrio do estado democrático de direito, a proteção da cidadania, servindo à advocacia. Registro também de maneira muito enfática que a OAB não pertence a absolutamente nenhum partido político. Nenhum partido político que queira tentar ou ousar fazer gerência na Ordem conseguirá fazer com que isso vingue. A OAB é uma instituição que tem uma história combativa ao longo dos seus quase 92 anos. Então o que eu posso dizer é que a Ordem não pertence a Lula, a Bolsonaro, à esquerda, à direita, ela pertence verdadeiramente à advocacia. A Ordem estará atenta ao processo eleitoral. Estaremos cumprindo o nosso papel, que sempre cumprimos junto ao Tribunal Superior Eleitoral, em todas as eleições, sobretudo nas eleições presidenciais. E não nos furtaremos a criticar ou mesmo nos insurgir na seara que for quando identificarmos excessos que ofendam a sociedade brasileira e ofendam diretamente o equilíbrio, a estabilidade do estado democrático de direito.

O que o sr. espera do próximo presidente?

Seja quem for o próximo presidente, o que a Ordem tentará, desde o primeiro momento, é o diálogo. Nós acreditamos muito que o diálogo, antes de qualquer embate, pode dirimir qualquer situação. Nós pretendemos, através do debate, a união verdadeira e efetiva do Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.