Política

Jaques Wagner desiste de disputar governo da Bahia

Da Redação ·

O senador Jaques Wagner (PT) avisou nesta quinta-feira, 24, a líderes do partido que não vai ser candidato ao governo da Bahia. Com isso, o senador Otto Alencar (PSD) deve disputar o Executivo estadual. O governador Rui Costa (PT) pretende concorrer ao Senado. A chapa seria discutida na noite de ontem entre os três e o senador Angelo Coronel (PSD).

continua após publicidade

A desistência de Wagner veio depois de Otto Alencar declarar que aceitaria entrar na corrida pelo governo. O senador participou ontem de reunião com a bancada baiana do PSD no Congresso. Ele foi incentivado pelos correligionários a concorrer em outubro. Com o arranjo, o vice-governador João Leão (PP) deve assumir o Executivo baiano a partir de abril, quando Costa terá de renunciar para disputar o Senado. O PP articula indicar a vice na chapa de Otto Alencar.

Há pouco mais de uma semana, durante uma reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi discutida a possibilidade de Wagner desistir. Na ocasião, o senador não fez objeções à troca na cabeça de chapa e pediu apenas que houvesse uma solução que assegurasse a unidade do grupo.

continua após publicidade

Kassab

O movimento foi visto como um aceno de Lula ao presidente do PSD, Gilberto Kassab, de quem tenta obter apoio a sua candidatura à Presidência ainda no primeiro turno. Após a reunião, Wagner publicou no Twitter que permanecia pré-candidato ao governo, enquanto Otto Alencar seguiu dando declarações públicas de que preferia tentar se reeleger senador. As pressões de Costa para concorrer ao Senado, no entanto, levaram a uma mudança de planos.

Wagner, então, passou a admitir a possibilidade de abrir mão da disputa. O senador teve uma nova conversa sobre o assunto com Lula, na segunda-feira, 21, em São Paulo, na qual recebeu aval para prosseguir com a articulação em favor de Otto Alencar.

continua após publicidade

A ideia de abrir mão da cabeça de chapa não era bem aceita dentro do PT. O partido teme encolhimento das bancadas federal e estadual e avalia que uma campanha casada entre Lula e Wagner teria mais força contra ACM Neto (União Brasil), líder nas pesquisas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.