'Guerra diplomática' das tropas nacionais mobilizou 48 mil - TNOnline
Mais lidas

    Política

    Política

    'Guerra diplomática' das tropas nacionais mobilizou 48 mil

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 28.12.2020, 14:21:00 Editado em 29.12.2020, 09:47:49
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Fabiano Augusto Cunha da Silva esteve no Timor Leste e viu cabeças cortadas, foi cercado por guerrilheiros e salvou a vida de Xanana Gusmão, o líder da independência do País. João Batista Pereira Leonel Filho foi feito refém para ser usado como moeda de troca entre os sérvios e as Nações Unidas. Bruno Henrique de Avelar Francisco viu aldeões serem caçados por um leão enquanto milicianos hutus massacravam a minoria tutsi em Ruanda. Romeu Antônio Ferreira, que combateu os comunistas no Brasil, tornou-se amigo dos guerrilheiros esquerdistas de El Salvador. A história desses homens ajuda a contar passagens desconhecidas da presença de militares brasileiros em áreas de conflito ao redor do mundo.

    Desde que, em 1989, voltou a estar presente em forças de paz, o Brasil enviou homens em missões individuais ou contingentes de tropa para 50 missões em todos os continentes. Ao todo, cerca de 48 mil militares enfrentaram desafios tão distintos quanto leões das colinas de Ruanda ou um cativeiro na Bósnia enquanto seus colegas eram transformados em escudos humanos. A linha que divide a paz e a guerra nem sempre era clara nas missões dos capacetes azuis. Ou por ação dos beligerantes, ainda incapazes de fazer as armas calarem, ou porque a própria missão dos homens das Nações Unidas previa a possibilidade de se usar a força para manter a ordem e estabilizar um país.

    Essa é uma história de indivíduos diante de crises que marcaram o fim do século passado e o começo deste, retratadas numa série especial de reportagens que o jornal O Estado de S. Paulo publica a partir desta segunda-feira, 28, em sua edição impressa e no estadao.com.br.

    É possível considerar suas histórias como típicas de um fenômeno que uniu as Forças Armadas ao Itamaraty: a decisão de fazer da presença desses militares um dos principais instrumentos da diplomacia do País que buscava um lugar ao sol entre as nações após o término da Guerra Fria. É o que diz o general Adhemar da Costa Machado Filho, que esteve em Angola comandando brasileiros da força de paz. "O Brasil acertadamente aceitou participar da missão, pois essa postura muito contribuiu para nos inserir entre os grandes 'players' das missões de paz."

    Com ele concorda o ex-chanceler Celso Lafer: "Essa participação é uma combinação do soft power da presença com essa dimensão do papel das Forças Armadas que, sem entrar em conflito, contribuem para a manutenção da paz. É um custo que vem junto com as aspirações de uma presença do Brasil no plano internacional."

    Saída

    Neste ano, o País ficou pela primeira vez em 21 anos, desde a missão no Timor Leste, sem contingente de tropa entre os capacetes azuis. Isso ocorreu em razão da retirada da fragata Independência da força de paz do Líbano, a Unifil. A embarcação chegou no sábado, dia 26, ao Brasil. O Ministério da Defesa alega que a Marinha decidiu concentrar recursos na defesa e segurança do Atlântico Sul. A decisão não impede que militares do País voltem no futuro a atuar com tropa entre os capacetes azuis.

    As histórias desses militares permitem jogar luz sobre o processo de pacificação da América Central e a influência de seu modelo nas sucessivas tentativas de paz na antiga África portuguesa. Ou acompanhar o impacto das crise em Ruanda e na Bósnia sobre os capacetes azuis, que levaria à mudança do formato das forças da ONU.

    O fim da Guerra Fria impulsionara ainda a criação de novos estados, como a Eritreia, e viu o temor de uma pandemia mortal, com a do ebola na África Ocidental, substituir o medo do holocausto nuclear. "As evidências demonstram que a ONU estava melhor organizada e preparada para atuar no Timor Leste do que na ex-Iugoslávia. A atuação no Timor Leste é considerada um caso de sucesso", disse o general João Batista Bezerra Leonel Filho.

    Os militares voltaram ao País marcados pelas missões. O general Adhemar lembra que passou a "dar valor às coisas simples, deixando o ranço burocrático de lado". O paraquedista Franklimberg de Freitas, que comandou em Moçambique a primeira tropa brasileira a atuar no exterior desde 1967, inaugurou uma prática que seria comum nos anos seguintes: o uso dessa experiência em Operações de Garantia da Lei e Ordem no Brasil. Seus homens voltaram direto para a Operação Rio, em 1994, participando do combate ao narcotráfico.

    Mais tarde, seriam os veteranos do Haiti. "O próprio governo percebeu que, para utilizar Forças Armadas como um veículo de projeção externa, tinha que aplicar recursos em treinamento, preparação e equipamentos básicos. E isso foi feito durante todo o período do Haiti. Os recursos foram muito bons. Deu para fazer uma preparação excelente", disse o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que comandara os brasileiros no Haiti e a brigada de intervenção da ONU, no Congo, e depois se tornaria ministro de Jair Bolsonaro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Política

    Deixe seu comentário sobre: "'Guerra diplomática' das tropas nacionais mobilizou 48 mil"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.