Política

Em SP, Russomanno tira Bolsonaro de jingle

Da Redação ·

Após o deputado Celso Russomanno (Republicanos) cair e oscilar negativamente nas pesquisas de intenção de voto para a Prefeitura de São Paulo, suas propagandas do horário eleitoral deixaram de mencionar o presidente da República, Jair Bolsonaro. Os programas que foram ao ar no horário político anteontem e ontem não usaram nem trechos do jingle em que Bolsonaro era citado. Nas inserções, Russomanno critica o governador João Doria (PSDB) e o também tucano Bruno Covas, prefeito e principal oponente do parlamentar, segundo as pesquisas.

continua após publicidade

Na estreia da propaganda eleitoral gratuita de rádio e TV, no dia 9, o jingle do candidato citava Bolsonaro três vezes. "Com Russomanno e Bolsonaro, quem ganha é a nossa cidade", dizia um trecho da música. Já no refrão, repetido duas vezes, constava o trecho "e Bolsonaro apoiando". As propagandas mais recentes da música não trazem versos que citam o presidente. A mudança de abordagem ocorre após a publicação de pesquisa Datafolha que, no dia 22, mostrou que Russomanno caiu de 27% para 20%, enquanto Covas oscilou positivamente de 21% para 23%.

Além disso, em São Paulo, pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão divulgada no dia 15 aponta que 48% classificam a gestão Bolsonaro como péssima ou ruim e 26% como ótima ou boa, o que também pode ter reflexo na transferência de votos.

continua após publicidade

As novas propagandas de Russomanno também têm feito alusões ao fato de que Doria descumpriu uma promessa feita durante a campanha de 2016, segundo a qual iria terminar o mandato de prefeito. Como é Covas, então vice, quem está concluindo a gestão, o prefeito tucano é chamado nas peças de "BrunoDoria". O apelido já era usado na campanha, mas ganhou mais ênfase.

Ao Estadão, o marqueteiro Elsinho Mouco, responsável por toda a estratégia de campanha, afirmou que há, sim, mais artilharia direcionada a Covas, com quem Russomanno aparece empatado tecnicamente no Ibope e no Datafolha, dentro da margem de erro. "São críticas acima da linha cintura", afirmou. "Estamos brincando com a campanha do Covas, que traz três palavras com a letra F. Adicionamos uma quarta: F de 'foi-se', sobre os empregos e a renda que já eram", disse. Mouco negou que haja intenção de dar menos ênfase ao presidente nas peças e atribuiu isso a motivos circunstanciais. "O Bolsonaro vai continuar sendo citado", disse.

A contratação de Mouco passou pelo aval de do ministro das Comunicações, Fábio Faria. O secretário executivo da pasta, Fabio Wajngarten, tem participado de reuniões da campanha. Veio de Wajngarten, inclusive, a sugestão de fazer uma associação total entre o candidato e Bolsonaro.

continua após publicidade

Ao participar da sabatina do Estadão, no dia 19, Russomanno disse, diversas vezes, que é "amigo" de Bolsonaro. Ainda assim, ele evitou dar uma resposta direta às perguntas sobre suspeitas contra a família do presidente e seu entorno, como o caso Queiroz. Nesta semana, o candidato já havia discordado ao dizer que não se oporia à compra da vacina contra o novo coronavírus que está sendo desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan.

Presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo disse que Russomanno adotou essa estratégia porque "não tem o que mostrar para a cidade" e lembrou que o Republicanos fez parte da base de Covas na Prefeitura de São Paulo.

Funções

Elsinho Mouco agora concentra múltiplas atribuições relacionadas à campanha de Russomanno, inclusive a coordenação-geral, após a morte do presidente municipal do Republicanos, Marcos Alcântara, no domingo. Na pré-campanha, Alcântara era o responsável por elaborar pontos que depois vieram a constar no plano de governo, além de cuidar da articulação política e da comunicação. Alcântara ajudou a negociar com Russomanno a confirmação da candidatura e a montar a chapa de vereadores do partido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.