Política

Eduardo Bolsonaro é vaiado em loja: "Vergonha para o Brasil"

O '03' do presidente Bolsonaro foi vaiado em uma loja de aparelhos eletrônicos em Nova York. "Você é uma vergonha para o Brasil", disse um homem

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Eduardo Bolsonaro é vaiado em loja: "Vergonha para o Brasil"
fonte: Reprodução/Redes Sociais
Eduardo Bolsonaro é vaiado em loja: "Vergonha para o Brasil"

O filho ‘03’ do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, foi vaiado em uma loja de aparelhos eletrônicos em Nova York, Estados Unidos. A situação aconteceu nesta segunda-feira (20).

continua após publicidade

Um flagrante do momento em que o deputado federal foi hostilizado foi publicado nas redes sociais. “Fora, Bolsonaro. Você é uma vergonha para o Brasil. Você é uma vergonha. Vergonhoso!”, grita um homem ao parlamentar.


O ‘03’ está na cidade junto à comitiva presidencial para participar da 76ª Assembleia Feral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece nesta terça-feira (21), por volta das 10h (horário de Brasília).

Além de Eduardo Bolsonaro, participam da comitiva presidencial os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga; das Relações Exteriores, Carlos França; e do Meio Ambiente, Joaquim Leite.

continua após publicidade

Viagem à Nova York

Marcelo Queiroga foi flagrado fazendo gestos obscenos aos manifestas que protestavam contra o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro. O fato aconteceu na noite desta segunda-feira (20).

Um grupo pequeno protestava contra o mandatário brasileiro na calçada em frente à residência da missão nacional junto à ONU, onde a comitiva brasileira foi recepcionada para um jantar na noite de segunda. Na rua, um caminhão com um telão exibia frases em inglês com críticas ao presidente, como "Bolsonaro is burning the Amazon" (Bolsonaro está queimando a Amazônia).

Na sequência, a comitiva brasileira entrou em uma van. Quando o veículo deixava o local, ainda sob os gritos dos manifestantes, o ministro Queiroga levantou de seu assento e mostrou, com as duas mãos, os dedos do meio aos opositores do governo Bolsonaro, que também faziam gestos obscenos.