Política

Comitê da ONU condena o uso de crianças fardadas em evento político de Bolsonaro

Da Redação ·

O Comitê da ONU dos Direitos da Criança (OHCHR) emitiu uma declaração nesta terça-feira, 5, em Genebra, em que condena a atitude do presidente Jair Bolsonaro de exibir uma criança vestida com farda da Polícia Militar mineira, empunhando uma arma de brinquedo, em evento na semana passada em Belo Horizonte.

continua após publicidade

A entidade afirmou, em nota, que "condena com veemência o uso de crianças pelo presidente Bolsonaro, vestidas com trajes militares e com o que parece ser uma arma de fogo, para promover sua agenda política". "A circulação de imagens dessas crianças perpetua ainda mais o dano causado a elas e corre o risco de contribuir para a falsa percepção de que o uso de crianças em hostilidades é aceitável." A informação foi revelada pelo jornalista Jamil Chade e confirmada pelo Estadão.

O episódio aconteceu na sexta-feira, 30, quando Bolsonaro participou de cerimônia de sanção de projeto para obras do metrô da capital mineira e do lançamento da pedra fundamental do Centro Nacional de Vacinas. Sentado ao lado do chefe do Executivo estava o menino de 6 anos.

continua após publicidade

Animado pelos gritos de "mito", o presidente pegou a arma de brinquedo e o apontou para o alto. Em outro momento, cumprimentou os pais do menino pelo que chamou de exemplo de "civilidade, patriotismo e respeito". Em outro momento, a criança ainda realizou flexões no palco do evento.

"Estou com quase 70 anos. Quando era moleque, brincava com arma, flecha e estilingue. Assim foi criada minha geração. E crescemos homens fortes, sadios e respeitadores. Meu cumprimento aos pais desse garoto, por tê-lo emprestado para dar um exemplo de civilidade, patriotismo e respeito. Obrigado, Polícia Militar de Minas Gerais", disse.

No texto do comunicado, o comitê sugere que atitudes como essa devem ser criminalizadas. "A participação de crianças em hostilidades é explicitamente proibida pela Convenção sobre os Direitos da Criança (Artigo 38) e seu Protocolo Opcional sobre o envolvimento de crianças em conflitos armados (Artigos 1 e 4)", cita. "Tais práticas devem ser proibidas e criminalizadas e aquelas que envolvem crianças em hostilidades devem ser investigadas, processadas e sancionadas", completa.

continua após publicidade

A declaração não implica em imposição de sanção contra o Brasil, mas invoca que o país cesse "imediatamente e urgentemente o uso de crianças vestidas com uniformes militares para qualquer fim", além de solicitar a retirada dessas imagens de todos os meios de comunicação e impedir sua posterior distribuição. O Comitê ainda complementa que, para não cometer, no futuro, práticas que violem os direitos da criança, o país deve divulgar amplamente informações sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança e seus Protocolos Facultativos para profissionais relevantes e para o público em geral.

No último domingo, 3, cerca de 80 entidades ativistas, lideradas pelo Movimento Nacional de Direitos Humanos, apresentaram uma denúncia ao Comitê da ONU dos Direitos das Crianças e ao Conselho Tutelar de Venda Nova, em Belo Horizonte (MG), por causa da foto.

Segundo Mônica Alkimin, coordenadora do Movimento Nacional de Direitos Humanos, a declaração do Comitê atendeu à expectativa das entidades com a denúncia, que era um posicionamento institucional em relação à conduta reiterada do presidente Bolsonaro. "Se ele (presidente) persistir na conduta, aí sim vamos abrir uma denúncia no sistema de comunicação para que a conduta seja investigada", afirmou.

continua após publicidade

"Você sabe atirar?"

Em 2018, quando ainda era candidato à Presidência, Bolsonaro tentou ensinar uma criança a fazer um gesto de "arma" com a mão em um ato de campanha. A um garoto que estava em seus braços com a farda infantil da Polícia Militar, o presidenciável disse: "Você sabe atirar? Você sabe dar tiro? Atira. Policial tem que atirar".