Política

"Chega de mimimi. Vão ficar chorando até quando?", diz Bolsonaro

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia "Chega de mimimi. Vão ficar chorando até quando?", diz Bolsonaro
fonte: Google Images
"Chega de mimimi. Vão ficar chorando até quando?", diz Bolsonaro

Em agenda em São Simão (GO), no início da tarde desta quinta-feira (4/3), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar governadores e prefeitos pela decretação de medidas de fechamento do comércio e restrição da circulação que estados vêm adotando para conter a disseminação da Covid-19.

continua após publicidade

O presidente elogiava trabalhadores rurais por não terem ficado em casa, quando cobrou que a população “enfrente os problemas”.

“Vocês [produtores rurais] não ficaram em casa, não se acovardaram. E nós temos que enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura, mimimi. Vão ficar chorando até quando? Temos que enfrentar os problemas, respeitar, obviamente, os mais idosos, aqueles que têm doenças, comorbidades. Mas onde vai parar o Brasil se nós pararmos?”, disse Bolsonaro.

continua após publicidade

“Sempre disse: vamos cuidar da questão do vírus e do desemprego. São dois problemas que temos que tratar com a mesma responsabilidade e de forma simultânea. Lamentamos qualquer morte no Brasil”, prosseguiu o presidente.

Ele comunicou que soube da morte da primeira professora que teve em Jundiaí (SP), que faleceu com 101 anos de idade. “Eu esperava vê-la, porque marcou a minha vida. E seus familiares se emocionaram quando eu conversei com eles por telefone, mas essa é a nossa vida”, completou.

Na quarta-feira (3/3), o país registrou 1.910 óbitos causados pela Covid-19, o maior número desde o início da pandemia. Foram registradas 71.704 novas infecções de coronavírus, segundo balanço divulgado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). No total, o Brasil já perdeu 259.271 vidas para a doença e computou 10.718.630 casos de contaminação.

continua após publicidade

Bolsonaro também citou a inflação da cesta básica, que foi de 3,64% no mês de dezembro. Em comparação ao mês de janeiro de 2020, o aumento é de 28,6%, ou seja, em um ano, o preço da cesta básica saltou de R$ 340,61 para 438,16.

“Todos vamos sofrer se não tomarmos as medidas certas. Nós somos um país que, sim, tem um futuro. O homem do campo, repito, não parou. Tivemos inflação da cesta básica, tivemos sim, como vou negar isso daí? Não vou negar, mas se vocês tivessem parado, pior do que a inflação, seria o desabastecimento.”

O presidente da República participou nesta quinta de cerimônia de inauguração de trecho da Ferrovia Norte-Sul, que liga São Simão (GO) e Estrela D’Oeste (SP). Acompanharam Bolsonaro os ministros Fábio Faria (Comunicações), Augusto Heleno (GSI), Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral) e Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura).

Com informações de: Metrópoles

Tags relacionadas: #BOLSONARO #covid19 #Lockdown