Política

Bolsonaro volta a atacar sistema eleitoral e ministros e diz ser 'impossível' não ser reeleito

Eduardo Gayer (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Ao reiterar ataques ao sistema eleitoral brasileiro, às urnas eletrônicas e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta segunda-feira, 6, que é "impossível" não ter segundo turno ou ele "não ganhar no primeiro turno" as eleições deste ano. O chefe do Executivo também sugeriu que integrantes da Corte contabilizam votos nas eleições com base em preferências pessoais. E acusou diretamente o presidente do tribunal, Edson Fachin, de agir para beneficiar e eleger o pré-candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva.

continua após publicidade

Segundo Bolsonaro, à frente do TSE Fachin "tudo faz para que não haja transparência (...), para eleger o Lula de forma não aceitável". O presidente ainda ampliou a crítica também para os ministros Luís Roberto Barroso, ex-presidente da Corte, e Alexandre de Moraes, que vai presidir o tribunal durante o pleito. "São três ministros que não querem transparência nas eleições. Eu não ataco a democracia."

"No meu tempo, lá atrás, ganhava a eleição quem tinha voto dentro da urna. Agora, parece, quero que esteja errado, é um direito meu desconfiar, espero que não ganhe as eleições quem tem amigo para contar o voto dentro do TSE", afirmou o presidente, em entrevista à TV Terraviva, em recado aos três magistrados que compõem a Corte e também o Supremo Tribunal Federal. "Ô, ministros Fachin, Barroso e Moraes: pelo que se vê nas ruas comigo, é impossível não ter segundo turno ou eu não ganhar no primeiro turno", declarou.

continua após publicidade

De acordo com Bolsonaro, Fachin "tudo faz" para que não haja transparência nas eleições. "Obviamente, no meu entender, para eleger o Lula de forma não aceitável. Espero que nada demais aconteça. Estamos trabalhando para que flua com normalidade as eleições", declarou, dizendo ainda que é seu "direito" desconfiar das urnas eletrônicas. Ele destacou que o magistrado foi o relator do processo que retirou o ex-presidente da cadeia, e agora está à frente do TSE. "Ou seja, um tremendo desgaste para retirar Lula da cadeia, está à frente do TSE e tudo faz para que não haja transparência, obviamente, no meu entender, para eleger o Lula de forma não aceitável", declarou o presidente.

O presidente disse também que, ao voltar da Cúpula das Américas, nos Estados Unidos, vai conversar com embaixadores sobre as eleições deste ano, assim como fez Fachin.

Debates

continua após publicidade

Sobre a participação em debates eleitorais no primeiro turno, Bolsonaro afirmou que ainda "estuda" a questão. "É uma questão de estratégia no primeiro turno. Vou deixar em aberto, esperar um pouco mais o que pode acontecer", declarou. "Lula vai fazer de tudo para não comparecer a debates."

Na mesma entrevista, o chefe do Executivo voltou a defender temas caros ao bolsonarismo, como a exploração mineral em terras indígenas e o armamento da população, assim como criticou a possível aprovação de um novo entendimento sobre o marco temporal dentro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Procurado, o TSE não respondeu até a conclusão desta reportagem.