Política

Bolsonaro: nas mãos das Forças Armadas, apoio total às decisões do presidente

Da Redação ·

Nesta quinta-feira, 11, o presidente Jair Bolsonaro disse em cerimônia de promoção de oficiais-generais, ter certeza de que as Forças Armadas o apoiam integralmente "para o bem da Nação". Afirmou, sem citar nomes, que militares exercem poder moderador e devem dar a vida contra ameaças internas e externas.

continua após publicidade

"Nas mãos das Forças Armadas, o poder moderador. Nas mãos das Forças Armadas, a certeza da garantia da nossa liberdade, da nossa democracia e o apoio total às decisões do presidente para o bem da sua Nação", declarou em discurso.

Voltou a se referir a si como o primeiro presidente que respeita seus militares, acredita em Deus, defende a família e deve lealdade ao povo. Segundo ele, tais atributos são a base para o sucesso do País. "Como chefe da Nação, a tranquilidade que tenho com o trabalho de vocês (militares) me conforta nos momentos difíceis. Obrigado por existirem e pelo compromisso de dar a vida pela pátria, se preciso for, quer sejam ameaças externas ou internas", disse.

continua após publicidade

A declaração ocorre dois dias após Bolsonaro promover desfile de veículos blindados do Exército em frente à Esplanada dos Ministérios na data para qual estava prevista a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto impresso, pauta prioritária do governo. A passagem dos equipamentos bélicos em frente ao Congresso foi interpretada por parlamentares como tentativa de intimidar o Legislativo.

'Uso de máscaras é opcional'

O locutor da cerimônia de promoção de oficiais-generais realizada no Palácio do Planalto com a presença do presidente Jair Bolsonaro anunciou por meio do sistema de som que o uso de máscaras era opcional. Logo em seguida, os militares começaram a cumprimentar, sem o item de segurança sanitária, as autoridades.

Bolsonaro, o ministro da Defesa, Braga Netto, e o chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, não utilizaram o acessório, ao contrário da primeira-dama Michele Bolsonaro, do vice Hamilton Mourão e sua mulher, Paula Mourão. Com o ato, o chefe do Executivo desrespeita a Lei nº 14.019/2020, sancionada por ele próprio, que torna obrigatório o uso de máscaras durante a pandemia do novo coronavírus.