Política

Bolsonaro diz que haverá problema de combustível no Brasil

O presidente disse que vai ter problema de combustível no Brasil e que isso não vai demorar

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Bolsonaro diz que haverá problema de combustível no Brasil
fonte: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, disse em sua transmissão ao vivo feita pelas redes sociais, nesta quarta-feira (9), que o Brasil vai ter "problema" de combustível e que o preço do produto iria aumentar porque em "todo mundo aumento". A Petrobras anunciou o aumento do diesel, gasolina e gás de cozinha na manhã desta quinta-feira (10)

continua após publicidade

“Não estou dizendo se vai ou não vai, eu acho que vai aumentar. No mundo todo aumentou. Eu não defino preço na Petrobras, eu não defino nada lá. Só quando tem problema cai no meu colo”, disse o presidente.

“Agora, a tendência, é melhorar lá fora.*Mas vai ter problema de combustível no Brasil, não vai demorar”, reforçou ele, em outro momento.

continua após publicidade

Aumento

A Petrobras anunciou, na manhã desta quinta-feira (10), que irá aumentar os preços da gasolina, diesel e GLP, gás de cozinha. De acordo com a empresa, o aumento vale para distribuidoras e entrará em vigor nesta sexta-feira (11). 

O repasse para o consumidor final, afetando diretamente os preços das bombas e do botijão de gás, ainda não está definido se e quando irá ocorrer, porque depende de cada revendedor.

continua após publicidade

Nas distribuidoras, o preço médio da gasolina passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 o litro, um aumento de 18,77%. Para o diesel, o valor irá de R$ 3,61 a R$ 4,51, alta de 24,9%.

O barril de petróleo no mercado internacional ultrapassou a marca de US$ 130 (R$ 656, na cotação desta quinta-feira) nos últimos dias, com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Quando a companhia anunciou o último aumento, em 11 de janeiro, o produto era cotado a cerca de US$ 83 (R$ 419).

O gás de cozinha passará de R$ 3,86 para R$ 4,48 por quilo, um reajuste de 16%. A última alteração no preço do insumo havia ocorrido em outubro do ano passado, há 152 dias.