Política

Bolsonaro diz que Fachin anulou condenações de Lula para petista ser presidente

Redação, O Estado de S. Paulo (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira, 27, que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com a intenção de fazê-lo chegar novamente ao Palácio do Planalto. Fachin também comanda o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

continua após publicidade

"(Fachin) Botou para fora só para vê-lo livre. Segundo o Supremo, ele é livre, ele disputa as eleições. Ninguém vai botar o cara para fora com condenações grandes, em três instâncias, para ficar passeando por aí", afirmou Bolsonaro durante transmissão ao vivo nas redes sociais. "Colocou para fora, no meu modesto entendimento, para ser presidente da República", completou.

Bolsonaro observou, ainda, que conhece a "vida pregressa" de Fachin. "Foi militante de esquerda, advogado do MST", declarou o presidente, numa referência ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.

continua após publicidade

Em mais um ataque ao sistema de urnas eletrônicas, Bolsonaro afirmou que os checadores contratados pelo TSE para as eleições são "gente ligada a PT, PC do B e PSOL".

Ainda na transmissão ao vivo, o presidente contestou os resultados da pesquisa Datafolha. Divulgado nesta quinta-feira, 26, o levantamento mostra que, se as eleições fossem hoje, Lula venceria no primeiro turno. O petista teria 54% dos votos válidos contra 30% do presidente. Sem dizer a que se referia, Bolsonaro questionou se o instituto fazia "tabelinha com outra instituição".

A pesquisa também apontou divisão entre o presidente e Lula no eleitorado evangélico. "Não sou unanimidade em lugar nenhum. Mas, por exemplo, se fizer pesquisa nas Forças Armadas, uma pesquisa séria, não vai dizer que militares estão divididos, que policiais estão divididos, ainda mais depois que o Lula falou que policial não é gente", provocou o presidente na live. "O lado de lá defende o aborto, eu não. Vai falar que os evangélicos estão divididos?"

continua após publicidade

Um dia após afirmar ter pouco contato com o deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), mesmo mantendo encontros frequentes com ele, Bolsonaro sugeriu à população que deixe de votar no aliado. "Se você acha que o deputado extrapolou, não vote nele de novo", disse o presidente.

Mesmo sem citar o nome de Silveira, Bolsonaro afirmou que o deputado falou "o que não deveria". Silveira foi condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por estimular ataques à democracia e ofender magistrados. O presidente concedeu indulto a ele.

Em nova defesa do que entende como liberdade de expressão, Bolsonaro negou que suas contas utilizem estratégias de impulsionamento nas redes sociais e criticou o projeto de lei que combate fake news.