Política

Bolsonaro defende usar armas para 'garantir a democracia'

Da Redação · GoogleNews

Siga o TNOnline
no Google News

Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O presidente Jair Bolsonaro (PL) defendeu nesta terça-feira o uso de armas de fogo para garantir a democracia no País. "A arma de fogo, além de segurança para as famílias, é segurança para nossa soberania nacional e a garantia de que a nossa democracia será preservada. Não interessa os meios que um dia porventura tenhamos que usar. Nossa democracia e nossa liberdade são inegociáveis", afirmou o chefe do Executivo.

continua após publicidade

A declaração foi feita na inauguração de trechos da BR-101/SE, em Propriá (SE), e no momento em que o presidente, pré-candidato a um novo mandato, é acusado por opositores de preparar seu discurso para tentar "melar" as eleições deste ano em caso de derrota nas urnas.

No mesmo discurso, Bolsonaro fez um novo aceno a profissionais da segurança pública, que pressionam por uma reestruturação das carreiras prometida pelo governo. "Lamentamos o poder aquisitivo dos servidores públicos, mas tenho certeza que brevemente isso será recuperado. Em especial nossa Polícia Rodoviária Federal, que está nos acompanhando neste momento", prometeu.

continua após publicidade

Ele ainda reconheceu a perda do poder aquisitivo da população de um modo geral, mas defendeu a atuação do governo na política para fertilizantes. "Garantimos fertilizante a vocês fazendo contato com o governo da Rússia. Na semana passada, 26 navios aportaram aqui com fertilizantes, suficiente para a safra deste ano", declarou o presidente.

Em pré-campanha, Bolsonaro também acenou ao senador Fernando Collor (PTB-AL), chamando-o de "grande aliado no Parlamento" - e repetiu a frase "o Nordeste é nosso". O Nordeste é a região do País em que o presidente enfrenta mais dificuldades ante a vantagem do pré-candidato do PT ao Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva.

Bolsonaro encerrou seu discurso com o lema "Deus, Pátria, Família e Liberdade". "Deus, Pátria e Família" era a frase-síntese da Ação Integralista Brasileira, movimento de inspiração fascista fundado no Brasil por Plínio Salgado, em 1932.