Política

Bolsonaro critica prazo de Moraes para esclarecer falas de ódio: 'Quer provocar'

Célia Froufe e Matheus Piovesana (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse neste domingo, 17, que o prazo dado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para que ele explicasse supostos discursos de ódio é uma provocação do magistrado. Na sexta-feira, 15, Moraes deu 48 horas para que o presidente se manifestasse a respeito de uma representação movida por partidos de oposição.

continua após publicidade

"Cara, sexta-feira, dar 48 horas, quer provocar, não quer diálogo, não quer solução", disse ele em entrevista na parte externa do Palácio da Alvorada. "Como tem um vídeo dele falando 'existe gabinete do ódio'. Queria que ele apontasse uma matéria que porventura tenha saído do gabinete do ódio", complementou.

Bolsonaro disse que Moraes age através de ameaças. "Parece que o espírito de Fidel Castro encarnou em alguém aqui no Brasil. Um magistrado não pode agir sob ameaça, tem que agir de acordo com os autos, e ali ele faz seu julgamento, seus questionamentos", afirmou.

continua após publicidade

O presidente sugeriu ainda que o ministro do STF, que assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em agosto, não busca a conciliação entre os Poderes. "Ele quer intimidar quem? O que ele está buscando? Ele tá buscando a paz, a tranquilidade, a harmonia entre os poderes?", questionou.