Política

Bolsonaro cita potássio da Amazônia como saída para falta de fertilizante

Da Redação ·

Em linha com o vice-presidente Hamilton Mourão, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que uma solução para a falta de fertilizantes no mercado seria explorar potássio na foz do rio Madeira, na Amazônia. "Mas temos problema sério: passa por terra indígena", disse o chefe do Executivo, na cerimônia alusiva à 1ª Feira Brasileira do Nióbio, em Campinas (SP).

continua após publicidade

Mais cedo, Mourão deu a mesma fórmula para um impasse apresentado ontem por Bolsonaro - o presidente previu desabastecimento no País no próximo ano por falta de fertilizantes. "Por questão de crise energética, a China começa a produzir menos fertilizantes. Já aumentou de preço, vai aumentar mais e vai faltar. A cada cinco pratos de comida no mundo, um sai do Brasil. Vamos ter problemas de abastecimento no ano que vem", declarou.

Ao trazer à questão novamente à tona, Bolsonaro voltou a criticar hoje o julgamento do marco temporal no Supremo Tribunal Federal, suspenso após pedido do ministro Alexandre de Moraes. Eventual derrubada da tese na Corte desobrigaria comunidades indígenas a comprovar ocupação no território na data da promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988, e poderia, na visão do governo, ampliar o número de demarcações no País. O Executivo é contrário a novos reconhecimento de posse por comunidades originárias e alega impacto na produção e na exploração de recursos naturais, como o potássio.

continua após publicidade

Ainda em Campinas, Bolsonaro lembrou que citou "por alto" a questão do marco temporal em seu discurso na 76ª Assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), apesar dos pedidos de embaixadores por uma moderação na fala. "'Não fale nesse assunto, faça discurso de estadista'; que estadista, p...?", disse o presidente sobre os pedidos. Na ONU, o chefe do Executivo não falou especificamente do marco temporal, mas se colocou contrário a novas demarcações de terras indígenas.