Política

Bolsonaro ataca ministros do STF e pede ação para evitar volta de Lula ao poder

Da Redação ·

O presidente Jair Bolsonaro subiu o tom das críticas a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A uma plateia de investidores e empresários, nesta quarta-feira, 23, Bolsonaro atacou ações tomadas pelos ministros Alexandre de Moraes, como a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), e Luís Roberto Barroso, que se posicionou contra as críticas bolsonaristas às urnas eletrônicas. Exaltado, ao participar da CEO Conference 2022, organizada pelo banco BTG Pactual, Bolsonaro expôs com todas as letras o confronto com o STF.

continua após publicidade

"Nós precisamos de paz para ter liberdade. Não vai ser o chefe do Executivo que vai jogar fora das quatro linhas (da Constituição), mas, por favor, não vocês, mas dois ou três no Brasil, não estiquem essa corda", disse o presidente. Acompanhado dos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Paulo Guedes (Economia), Bolsonaro continuou atacando os magistrados. "Vocês vão ter que vir para dentro das quatro linhas. Afinal de contas, todos temos limites. O Ciro tem, o Paulo Guedes tem, eu tenho limites. Alguns poucos, dois ou três acham que não têm limites", afirmou ele, que também se referiu indiretamente ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin.

Com a voz elevada, Bolsonaro afirmou, ainda, que a população não deveria simplesmente aceitar o "quem vencer, venceu" e instou os executivos a agir para evitar a volta do PT ao poder.

continua após publicidade

O presidente comentou o caso de Daniel Silveira, que chegou a ser preso no ano passado por ameaçar o Supremo e hoje responde ao processo monitorado por tornozeleira eletrônica. Bolsonaro afirmou que o aliado pode ter errado, mas criticou a punição que ele recebeu.

"Ficam brincando o tempo de nos controlar, de desrespeitar a nossa Constituição, de ferir a nossa liberdade de expressão, de prender deputado. Por mais errado que ele tenha sido em suas palavras, manter esse cidadão brasileiro, que pode ter errado em suas palavras, com tornozeleira eletrônica...", criticou.

Bolsonaro também pôs em dúvida, mais uma vez, a legitimidade do sistema eletrônico de votação. No ano passado, ele tentou, sem sucesso, aprovar o voto impresso, mas foi derrotado no Congresso. O presidente também citou a decisão do Supremo de restringir o acesso financeiro a páginas na internet disseminadoras de notícias falsas.

continua após publicidade

"(Querem) botar freio na nossa liberdade de discutir eleições pelas mídias sociais. Onde vamos chegar se temos um sistema eleitoral que você pode não comprovar que é fraudável, mas você não tem como comprovar também que não pode ser fraudável?", perguntou.

"Revogaço" de Lula

Bolsonaro também aproveitou para comentar o comportamento de um eventual novo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Direcionando os questionamentos para os empresários que acompanharam a palestra, o presidente elencou uma série de medidas que, segundo ele, serão tomadas caso o petista volte ao governo.

continua após publicidade

Na CEO Conference 2022, Bolsonaro afirmou que as reformas feitas por ele e pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) serão revogadas se Lula ganhar a eleição. "O que os senhores acham de nós revogarmos a autonomia do Banco Central, de revogarmos a reforma trabalhista, a reforma da Previdência, retornar o imposto sindical, reestatizar as empresas que foram desestatizadas, acabar com o teto de gastos, o governo começar a interferir nos preços da Petrobras e da energia?", questionou.

Em um aceno à ala do governo que é mais ideológica, as críticas de Bolsonaro não se limitaram ao campo da economia, mas também abarcaram pautas de costumes e da segurança pública. O presidente disse que, se voltar ao poder, Lula fortalecerá o Movimento dos Sem Terra (MST), promoverá um desarmamento, desmilitalizará a Polícia Militar, acabará com os colégios militares e legalizará o aborto.

Lula foi convidado pelo BTG Pactual para participar do mesmo evento, mas recusou o convite, sob o argumento de que ainda não lançou oficialmente sua candidatura. Outros presidenciáveis, como João Doria (PSDB), Sérgio Moro (Podemos) e Ciro Gomes (PDT) também fizeram palestra na CEO Conference 2022.

Durante o discurso, Bolsonaro fez questão de exaltar o avanço da negociação do Brasil para entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo que reúne países desenvolvidos, e a aprovação da autonomia do Banco Central.

Perguntado por empresários sobre a possibilidade de as reformas econômicas avançarem neste ano, o presidente não escondeu as dificuldades e disse que anos eleitorais costumam atrapalhar essas agendas. Temas como as reformas administrativa, tributária, e a privatização dos Correios estão travados no Congresso.