Mais lidas
Ver todos

    Política

    Barroso sugere que eleição seja adiada, mas que ocorra ainda em 2020

    Escrito por Da Redação
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que hoje é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disse ao Roda Viva, programa da TV Cultura, que defende a realização das eleições municipais ainda em 2020, mas não em outubro, data atual do pleito. "Há consenso para fazermos este ano. Para TSE e cientistas, há janela de 15 de novembro a 20 de dezembro. Realizando primeiro turno a partir de 15 de novembro e segundo até 20 de dezembro, conseguimos entregar eleições bem arrumadas", afirmou.

    Ele lembrou que uma alteração da data depende do Congresso e disse que vem mantendo interlocução positiva com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. "Marcamos conversas dos dois presidentes (Maia e Alcolumbre) e de líderes partidários com médicos, cientistas, especialistas. Todos eles recomendam adiamento por algumas semanas, mas disseram que não fará diferença passar para o ano que vem", afirmou Barroso.

    Ainda sobre seu trabalho no TSE, Barroso falou sobre as ações pedindo a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão que tramitam no tribunal. "O TSE não é ator político, é ator institucional que se move pelas categorias do direito", afirmou. "Ninguém lá se move politicamente."

    O ministro afirma que foi procurado por uma pessoa do governo perguntando se ele deveria se preocupar com os casos. "Respondi: só se tiver feito alguma coisa errada", disse Barroso, sem dizer quem o abordou.

    Ataques ao STF

    Barroso disse, ainda, que "alvejar o STF com petardos, ainda que sejam fogos de artifício, é uma imagem feia, triste, de incapacidade de viver vida democrática e institucional". Por isso ele viu com preocupação os atos de Sábado passado, em que extremistas dispararam fogos de artifício na direção do STF, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. No entanto, Barroso disse que o grupo responsável pela ação era pequeno: "Quem viu o vídeo nota que era uma quantidade muito pequena de manifestantes". "Acho que são muito poucos e são irrelevantes", afirmou ele sobre os autores dos ataques, a quem também chamou de "gueto pré-iluminista, pessoas que têm dificuldade de aceitar o outro, a pluralidade".

    Em relação aos extremistas pró-Bolsonaro que foram alvo na segunda-feira, 15, de mandados de prisão temporária expedidos pelo ministro do STF Alexandre de Moraes, Barroso disse que, embora não tenha grande simpatia pela Lei de Segurança Nacional, "a lei está em vigor e o ataque destrutivo das instituições está previsto na lei". Ele lembrou que é preciso separar liberdade de expressão e violência.

    Quanto à presença do presidente Jair Bolsonaro em manifestações com pedidos de fechamento do Congresso e do Supremo, o ministro disse que não comenta fatos específicos do presidente, mas afirmou que "quem jurou respeitar e defender Constituição não pode defender fechamento do congresso e nem do Supremo". No entanto, ele ressaltou: "Nunca ouvi o presidente defender fechamento do Congresso ou do Supremo".

    Weintraub

    Luís Roberto Barroso fez críticas ao ministro da Educação, Abraham Weintraub. Barroso disse que não se ofendeu com as declarações de Weintraub, que chamou ministros do STF de "vagabundos" em reunião ministerial. "Não tenho medo da verdade, quanto menos da mentira", disse. Em seguida, Barroso afirmou: "a educação não pode estar entregue a quem não tem a percepção de sua importância no País".

    Barroso também afirmou que as questões mais relevantes para educação no País recebem pouca atenção. "Os problemas maiores são a não alfabetização na idade certa, a evasão escolar no ensino médio, o déficit de aprendizado, a falta de atratividade do magistério". Logo depois, completou: "mas as pessoas estão preocupadas com identidade de gênero, saber se 1964 foi golpe, escola sem partido. Estão assustados com a assombração errada. Esses não são problemas da educação brasileira. Precisamos de um choque de iluminismo na educação básica brasileira pública".

    As declarações de Weintraub ocorreram em reunião ministerial do dia 22 de abril, quando disse que, por ele, "botava esses vagabundos todos na cadeia; começando no STF". As declarações do ministro da Educação causaram piora na relação do governo com o Supremo.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Acidente envolvendo três carros acontece no centro de Apucarana

    Deixe seu comentário sobre: "Barroso sugere que eleição seja adiada, mas que ocorra ainda em 2020"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.