Política

Aras diz que 'convite' para Lindôra ir à CPI da Covid seria 'afronta ao MP'

Da Redação ·

O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou mensagem na manhã desta quinta, 13, aos integrantes da CPI da Covid no Senado afirmando que um 'convite' para que a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo compareça ao colegiado seria 'um afronta ao Ministério Público, sem precedentes na história do País'.

continua após publicidade

Braço direito do chefe do Ministério Público Federal, Lindôra é responsável por coordenar investigações que envolvam autoridades com prerrogativa de foro no Superior Tribunal de Justiça, como governadores.

O pedido de comparecimento da subprocuradora foi apresentado pelo senador Eduardo Girão (Podemos/CE). O parlamentar é da ala governista, que tem lançado estratégias para colocar prefeitos e governadores na mira da CPI, desviando o foco do governo federal.

continua após publicidade

Na mensagem aos integrantes da CPI, Aras afirmou ainda que a PGR 'já se comprometeu tanto com a CPI quanto com o próprio senador Girão a entregar toda a documentação disponível' na instituição.

Segundo nota divulgada pela Procuradoria, o chefe do MPF também lembrou os senadores do entendimento do Supremo Tribunal Federal no sentido de que membros do Ministério Público e juízes não devem prestar depoimentos sobre sua atividade-fim.

A mensagem chegou a ser mencionada pelo senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid, durante sessão do colegiado realizada na manhã desta quinta-feira, 13. "Nós temos competência constitucional e temos que aprofundar a investigação nos limites da constituição, não podemos ir além disso", afirmou Renan após ler trechos da mensagem de Aras.

continua após publicidade

Os senadores chegaram a abordar o requerimento para comparecimento de Lindôra e ainda trataram de uma eventual convocação do diretor-geral da Polícia Federal Paulo Maiurino. O presidente da CPI, Omar Aziz, chegou a dizer que fez um alerta para Girão com relação aos dois requerimentos, no sentido de consultar Lindôra e Maiurino sobre uma eventual convocação ou convite para comparecimento na CPI.

Sobre a subprocuradora-geral da República, o presidente do colegiado afirmou: "Ela investiga. Ela não pode chegar numa CPI, dizer quem está investigando, quem é bandido quem não é. Até porque ela faz um inquérito, encaminha à Justiça e quem vai decidir, no final, é um juiz, um desembargador ou um ministro. Não é ela quem decide".