Política

Apucarana e Arapongas somam 33,4 mil títulos cancelados

Ao todo, o Paraná conta com 8,1 milhão de eleitores em condições de votar

Da Redação ·
Se não regularizarem a situação, muitos eleitores estarão impedidos de votar no pleito deste ano.
fonte: Da Redação
Se não regularizarem a situação, muitos eleitores estarão impedidos de votar no pleito deste ano.

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) divulgou nesta semana o número de eleitores que estão com seus títulos cancelados e que, desta forma, não poderão votar nas eleições de outubro deste ano se não regularizarem sua situação a tempo. Em todo o Paraná são 227.968 pessoas nessa situação. Ao todo, o Estado conta com 8,1 milhão de eleitores em condições de votar.

continua após publicidade

Apucarana e Arapongas, os dois maiores colégios eleitorais da região, somam um total de 33.431 títulos cancelados. São 17.246 em Apucarana e 16.185 em Arapongas. Apucarana conta hoje com 92.470 eleitores aptos a votar nas eleições de outubro deste ano, enquanto Arapongas está com 80.326.

Em Cambira, município que pertence à Comarca de Apucarana, existem 1.145 pessoas que estão com os títulos eleitorais cancelados, enquanto 5.949 eleitores estão aptos a votar. Novo Itacolomi, que também pertence à mesma comarca, tem 313 títulos cancelados e 2.768 eleitores em condições de votar no pleito deste ano. Em Sabáudia, município que pertence à Comarca de Arapongas, existem 1.022 títulos eleitorais cancelados e 5.908 eleitores aptos a votar.

continua após publicidade

Segundo a chefe-substituta da 61ª Zona Eleitoral do Cartório Eleitoral de Arapongas, Simone Barros do Amaral, muitos dos títulos cancelados em Arapongas ainda são da extinta 180ª Eleitoral. São eleitores que não fizeram a biometria em 2018 ou não votaram nas três últimas eleições e não justificaram os motivos.

A chefe da 28ª Zona Eleitoral do Cartório Eleitoral de Apucarana, Andrea Silva Milanin, informa que os 18,7 mil títulos cancelados em Apucarana, Cambira e Novo Itacolomi também são de eleitores que não fizeram a biometria na época da convocação (em 2015) e nunca fizeram esse procedimento e também que não votaram nos últimos três pleitos eleitorais e não justificaram o não comparecimento às urnas.

Andrea Milanin frisa, no entanto, que esses eleitores ainda podem regularizar sua situação perante a Justiça Eleitoral. O prazo para regularizar o título de eleitor, fazer transferência de domicilio eleitoral, mudar o local de votação e solicitar o primeiro título eleitoral vai até o dia 4 de maio. Depois desta data, isso poderá ser feito somente após as eleições de outubro, ou seja, em novembro, depois do segundo turno.

Vale lembrar que nas eleições de 2020 os eleitores de municípios que passaram por revisão biométrica em 2019, porém não fizeram a biometria, puderam comparecer às urnas normalmente, conforme permissão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Depois disso, voltaram a ter os títulos cancelados novamente.