AGU pede suspensão de liminar que travou processos contra Deltan no Conselhão - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Política

AGU pede suspensão de liminar que travou processos contra Deltan no Conselhão

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou recurso nesta quarta, 26, para derrubar liminar do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu dois processos contra o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato Paraná, no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A decisão do decano travou o julgamento que questiona a conduta de Deltan e poderia levar à sua saída da operação.

Deltan apelou ao STF após o CNMP agendar a análise de dois processos movidos pelos senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Katia Abreu (PP-TO). Ambos questionam ações adotadas pelo coordenador da Lava Jato em relação a publicações em redes sociais e supostas condutas de promoção pessoal. Os casos seriam julgados no último dia 18, mas foram retirados da pauta após a decisão liminar do decano.

No mérito, Deltan pede que o Supremo tranque os dois processos por não respeitarem o seu direito de defesa.

A AGU, no entanto, discorda das alegações do coordenador da Lava Jato. O órgão aponta que Deltan teve todo o direito de se defender no processo, inclusive foi 'adequada e oportunamente intimado' de todos os atos processuais.

"Foi oportunizado ao autor o integral acesso aos votos divergentes dos conselheiros Dermeval Farias e Lauro Nogueira, tendo sido deferida, inclusive, a renovação do prazo para apresentação de defesa prévia", apontou a AGU. "Nessa linha, resta evidente a ausência de prejuízo ao autor".

A AGU alertou que a suspensão do julgamento pode levar à prescrição dos casos. O prazo máximo para o CNMP aplicar punição contra Deltan se encerra em pouco mais de duas semanas, no dia 10 de setembro.

Nesta terça, 25, o CNMP julgou pedido de providências apresentado pelo ex-presidente Lula contra Deltan pelo famoso power point apresentado pela Lava Jato em entrevista coletiva concedidas em setembro de 2016. Por oito votos a dois, o Conselhão arquivou o caso por prescrição - a ação tramitava no CNMP há quatro anos e foi adiada mais de 40 vezes.

As duas ações questionam a conduta de Deltan em relação à publicação nas redes sociais e supostas atitudes de promoção pessoal. O processo aberto pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) acusa o coordenador da Lava Jato de supostamente influenciar as eleições para a presidência do Senado no ano passado, quando Deltan fez publicações críticas a Calheiros, que disputava o cargo, nas redes sociais. A disputa foi vencida pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O caso apresentado pela senadora Kátia Abreu (PP-TO), por sua vez, questiona o acordo firmado pela Lava Jato Paraná com a Petrobrás para destinar R$ 2,5 bilhões recuperados pela operação e que seriam geridos por uma fundação dos procuradores.

Ao suspender as ações contra Deltan, Celso de Mello apontou que a remoção de um membro do Ministério Público 'deve estar amparada em elementos probatórios substanciais' e em processo com 'o pleno exercício do contraditório e da ampla defesa'.

"Sabemos que regimes autocráticos, governantes ímprobos, cidadãos corruptos e autoridades impregnadas de irresistível vocação tendente à própria desconstrução da ordem democrática temem um Ministério Público independente, pois o Ministério Público, longe de curvar-se aos desígnios dos detentores do poder - tanto do poder político quanto do poder econômico ou do poder corporativo ou, ainda, do poder religioso -, tem a percepção superior de que somente a preservação da ordem democrática e o respeito efetivo às leis desta República laica revelam-se dignos de sua proteção institucional", escreveu Celso de Mello.

Ficha limpa. Na semana passada, o ministro Luiz Fux decidiu que uma advertência aplicada contra Deltan não deveria ser considerada no julgamento dos processos no Conselhão. Na prática, a liminar 'limpa' a ficha do procurador da Lava Jato, dando uma espécie de garantia de 'bons antecedentes'. O CNMP leva em consideração punições passadas aplicadas aos procuradores e promotores que respondem a processos no órgão.

Deltan recebeu a advertência em novembro de 2019 por oito votos a três. O procurador foi punido pelo Conselhão por afirmar em entrevista de rádio que três ministros do Supremo Tribunal Federal formam uma 'panelinha' e passam para a sociedade uma mensagem de 'leniência com a corrupção'.

Além de limpar a ficha de Deltan no Conselhão, a decisão de Fux foi vista nos bastidores como um prenúncio de uma nova gestão no Supremo, quando o ministro se tornar o presidente da Corte em setembro deste ano. Simpático à Lava Jato no combate à corrupção, Fux ocupará a cadeira do atual presidente, ministro Dias Toffoli, que integra a ala que impõe reveses à força-tarefa desde 2017.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "AGU pede suspensão de liminar que travou processos contra Deltan no Conselhão"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.