Política

'Acabou, p****!', ameaça Bolsonaro após operação contra fake news

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia 'Acabou, p****!', ameaça Bolsonaro após operação contra fake news
'Acabou, p****!', ameaça Bolsonaro após operação contra fake news

O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta quinta-feira (28) que não admitirá "decisões individuais" e "monocráticas". Bolsonaro fez um alerta velado ao Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo: "Chega". "Acabou, porra!", esbravejou. "Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais, tomando de forma quase que pessoais certas ações", disse.

continua após publicidade

"Mais um dia triste da nossa história, mas foi o último dia triste", comentou o presidente referindo-se ao dia de ontem, quando empresários, políticos e blogueiros aliados ao seu governo foram alvo de operação da Polícia Federal em inquérito que apura ataques e fake news contra ministros da Corte. As ações de busca e apreensão foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, relator da investigação.

Bolsonaro afirmou que "invadir casas de pessoas inocentes" e submetê-las a humilhações é "inadmissível". O chefe do Executivo classificou a quarta-feira como dia "triste" e alertou que seria o último do tipo. "Não foi justo o que aconteceu ontem", disse.

continua após publicidade

Em sua fala, Bolsonaro, contudo, não citou Moraes nominalmente e destacou mais de uma vez que respeita os Poderes públicos - cobrando respeito também. "Respeitamos os demais poderes, mas não abrimos mão de que nos respeitem também".

"Inventaram o nome 'gabinete do ódio', uns acreditaram e outros foram além e abriram processo no tocante a isso. Não pode um processo começar em cima de um factóide, em cima de uma fake news", declarou.

O presidente disse que "a historinha de querer criminalizar o ódio" é uma forma de censurar as mídias sociais, que o elegeram. Ele citou ainda é que "não existe pessoa mais humilhada" que ele nas redes sociais e nem por isso "levantou uma só palavra no sentido de controlar quem quer que seja".