Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Odebrecht apresenta emails que diz serem ligados a sítio e terreno para Lula

.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A defesa de Marcelo Odebrecht apresentou nesta quarta-feira (28) os emails trocados entre executivos do grupo que tratariam da venda de um terreno para a construção do Instituto Lula, reformas em um sítio em Atibaia (SP) e financiamento para o filme "Lula, o filho do Brasil".

Os documentos foram anexados aos autos do processo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de beneficiar indevidamente as empreiteiras Odebrecht e OAS em troca de mais de R$ 1 milhão em reformas no sítio.

Marcelo Odebrecht teve acordo de colaboração premiada homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em janeiro de 2017. Na petição desta quarta, os advogados afirmam que Odebrecht começou a realizar buscas em um HD ao qual teve acesso quando passou a cumprir regime domiciliar, em dezembro do ano passado. Seu objetivo, segundo os advogados, é encontrar mais elementos que corroborem os fatos relatados em seu acordo.

Em um dos emails, o empresário pede que seja entregue a seu pai, Emilio Odebrecht, pontos para uma conversa. Entre eles, "estádio Corinthians", "obras sítio" e "instituto". Em outro email, o ex-funcionário Carlos Armando Paschoal afirma a Marcelo Odebrecht que a reforma de Atibaia está no cronograma e que será entregue no dia 15.

Ele também diz que um engenheiro sênior ("Fred") se instalou no local e que "está cuidando pessoalmente do assunto com equipe de sua confiança". Ao juiz Sergio Moro, o engenheiro Frederico Barbosa afirmou que a empreiteira não queria ser identificada pela obra.

Em outra mensagem, o executivo da Odebrecht Emyr Costa diz que "o cliente" relatou que "o morador do sítio" não estava preocupado com a extensão do prazo das obras.

Em email para o executivo Luiz Antonio  Mameri, Marcelo Odebrecht orienta: "Qd mencionar ao amigo de BJ [Benedicto Junior, ex-presidente da empreiteira] que o acerto do evento foi com Italiano/amigo de meu pai, e não com PT, importante não mencionar nada sobre minha conta corrente com Italiano [ex-ministro Antonio  Palocci], pois só ele e amigo de meu pai [Lula, segundo Odebrecht] sabem."

A defesa de Odebrecht destaca que este email reforçaria o conhecimento de Lula sobre a conta corrente de propina mantida com Palocci.

Em outra mensagem, o empresário diz que aprovou R$ 15 milhões com Palocci para cobrir pedidos do amigo de seu pai [Lula, segundo Odebrecht], sem que ele soubesse do uso do crédito. A conta teria incluído palestras e frete de aeronaves.

Foram anexados, ainda, emails trocados entre Marcelo Odebrecht e Branislav  Kontic, assessor de Palocci. Em um deles, o executivo diz que precisa "mandar um paper para o Chefe [Palocci] pedindo orientações sobre o prédio". Segundo a defesa do empresário, este prédio é o que seria construído para o Instituto Lula.

Em outra mensagem, Odebrecht pede que Branislav lembre ao chefe sobre um encontro que ficou de marcar com o advogado sobre o prédio, pois teriam sido cobrados sobre o assunto. De acordo com sua defesa, o advogado é Roberto Teixeira, amigo de Lula.

Marcelo Odebrecht também apresentou emails sobre uma suposta ajuda financeira para o filme "Lula, o filho do Brasil". O executivo Marcos Wilson afirma que o apoio da empresa seria de R$ 750 mil e que a empreiteira não apareceria. Ele ressalta que, embora fosse um desejo do cliente, achava este "tipo de louvação maléfico" e que poderia ser "um tiro no próprio pé do cliente".

Odebrecht responde que está de acordo com o que decidirem seu pai, Emilio, e o executivo Pedro Novis. Há cerca de uma semana, Marcelo Odebrecht já havia apresentado emails que tratariam da compra de um terreno para o Instituto Lula. Na ocasião, os documentos foram anexados à ação penal em que Lula é acusado de beneficiar indevidamente a empreiteira em troca de vantagens como o terreno em São Paulo para o instituto.

OUTRO LADO

Em nota, a defesa de Lula disse que pedirá análise da autenticidade de todo o material apresentado por Marcelo Odebrecht. "O material não apenas é contraditório com o depoimento de Marcelo Odebrecht na delação premiada bem como em seu depoimento pessoal em outra ação", afirma o texto assinado pelo advogado Cristiano Zanin Martins.

Zanin também escreve que os supostos e-mails não abalam "o fato de que o ex-presidente jamais solicitou ou recebeu da Odebrecht ou de qualquer outra empresa algum benefício ou favorecimento".  

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber