Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Política

Após atrasos e cortes, construção de submarino entra na reta final no Rio

.

FELIPE BÄCHTOLD

ITAGUAÍ, RJ (FOLHAPRESS) - Depois de cortes orçamentários e atrasos, a montagem do primeiro submarino do programa Prosub, da Marinha, entrou na etapa final nesta terça-feira (20), em Itaguaí (RJ).

Uma solenidade com a presença do presidente Michel Temer marcou o início da fase de integração do submarino Riachuelo, em que diferentes partes do equipamento são acopladas e integradas.

A previsão é que o submarino seja lançado ao mar no fim de 2018. O atraso é estimado em dois anos.

O comandante da Marinha, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, citou entre as justificativas "dificuldades" de orçamento e mudanças no projeto original.

"Toda a esfera governamental sentiu muito os cortes orçamentários que tivemos", disse, a jornalistas.

Na cerimônia com Temer, que contou também com as presenças dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, Leal Ferreira defendeu "o aporte constante de recursos" para que o programa seja mantido nos moldes atuais.

Em entrevista, o oficial falou que considera pouco o percentual dos gastos militares no país. "Não é uma coisa que pese para a nação".

O Prosub já teve gastos estimados em R$ 16,4 bilhões desde 2009, segundo a Marinha, o que inclui a instalação do complexo naval. Além do Riachuelo, outros três estão em construção e há o projeto, em andamento, de um submarino nuclear com previsão para finalização em 2029.

Temer, ao discursar na cerimônia, disse que a construção do submarino representa a "soberania" do país e uma garantia de proteção do "patrimônio" nacional.

A exploração do pré-sal, a segurança dos navios mercantes e a capacidade de "dissuasão" são frequentemente citadas como argumentos para as despesas do governo federal com essa área.

O programa de submarinos inclui um acordo de transferência de tecnologia com a França.

LAVA JATO

O Prosub chegou a ser mencionado na Operação Lava Jato.

Em uma planilha de propina da Odebrecht, por exemplo, o programa é listado como origem de créditos.

O comandante da Marinha diz que o programa é submetido a auditorias e avaliações de órgãos como o Tribunal de Contas da União e que não foram identificadas falhas desde o início do projeto. Também nega que a operação tenha contribuído para atrasos.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber