Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Ossada de Perus identificada é de militante da esquerda morto em 1971

.

RUBENS VALENTE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Chama-se Dimas Antônio Casemiro, paulista de Votuporanga, morto aos 25 anos de idade em abril de 1971 em São Paulo, o militante político de esquerda armada cuja ossada foi identificada pelo GTP (Grupo de Trabalho Perus).

Desde 1996 o Estado brasileiro reconhece a responsabilidade pela morte de Casemiro, mas não se sabia o destino da ossada.

Conforme a Folha de S.Paulo antecipou nesta terça-feira (20), é a primeira ossada identificada pelo GTP entre as cerca de 1 mil localizadas nos anos 90 em Perus e que aguardam identificação. Desde os anos 90, é o quarto caso identificado na vala de Perus. Instituído em 2014, o GTP é apoiado pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Ministério dos Direitos Humanos, Secretaria Municipal de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo e CEMDP (Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos).

"É como se achássemos uma agulha no palheiro, um caso entre mil. Isso motiva as famílias e a equipe do GTP a continuarem no trabalho", disse à reportagem o coordenador científico do GTP, Samuel Ferreira. O coordenador disse que têm sido usadas técnicas avançadas para identificação das ossadas.

A presidente da CEMDP, a procuradora da República Eugênia Gonzaga, disse em nota que os familiares de Casemiro "poderão finalmente render-lhe honras funerárias e encerrar dignamente o seu processo de luto".

O trabalho de identificação da ossada teve apoio da ICMP (do inglês, Comissão Internacional Sobre Pessoas Desaparecidas), sediada em Haia, na Holanda, que examinou amostras de DNA coletadas do esqueleto encontrado na vala. Segundo o GTP, o laudo genético definitivo foi entregue no último dia 16 a Samuel Ferreira e à equipe de peritos pelo diretor de ciência e tecnologia da ICMP, Thomas Parsons.

Ex-corretor de seguros, vendedor de carros e tipógrafo, segundo as investigações da CNV (Comissão Nacional da Verdade), Casemiro militou na VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares) e no MRT (Movimento Revolucionário Tiradentes).

HISTÓRICO

De acordo com a CNV, em 1971 Casemiro foi acusado de ter comandado o assassinato do industrial Henning Albert Boilesen, presidente da companhia Ultragaz, que financiava a Oban (Operação Bandeirante). O grupo foi criado pela ditadura para combater militantes de esquerda e acusado de inúmeras violações de direitos humanos, incluindo torturas e assassinatos.

Segundo a versão oficial espalhada pela ditadura, Casemiro morreu em 17 de abril de 1971 após ter resistido à voz de prisão dada por agentes do Estado não identificados em um endereço usado pelo MRT no bairro da Água Funda, em São Paulo.

Dias depois, também foi morto um irmão de Casemiro, Dênis, após ter sido preso e torturado por equipe do delegado Sérgio Paranhos Fleury, da DOPS paulistana, segundo a CNV. O pai dos irmãos Dimas e Dênis, Antônio, fora militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro).

Em 1984, um dossiê elaborado pela seção do Rio Grande do Sul do Comitê Brasileiro pela Anistia apontou que Dimas Casemiro "foi fuzilado ao chegar à casa dele", segundo a CNV.

Um trabalho da CEMDP, entretanto, concluiu que Casemiro foi torturado entre os dias 17 e 19 de abril de 1971, o que contraria a versão de que a morte ocorreu em um tiroteio no dia 17. Fotografias da autópsia do corpo localizadas pela comissão mostram "lesões na região frontal mediana e esquerda, no nariz e, principalmente, nos cantos internos dos dois olhos, não descritas no laudo necroscópico e indicativas de tortura".

Segundo a CNV, a família de Casemiro acionou o Ministério Público Federal em 1999 para que fosse confirmada a identidade da ossada de Perus que a princípio fora atribuída a Casemiro. Em 1996, a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), apontou que os restos mortais eram "compatíveis" com Casemiro, mas a confirmação só seria possível por meio de um exame de DNA, "devido à grande fragmentação dos ossos".

A partir de 2014, o GTP selecionou casos para análise de DNA fora do Brasil, entre os quais estava o de Dimas Casemiro. "Isso prova que a escolha dos casos foi correta e estamos no caminho certo", disse Samuel Ferreira.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber