Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Rivais ocupam eleitorado e PSDB tem pior estreia em 24 anos

.

BRUNO BOGHOSSIAN

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A multiplicação de candidatos de centro e de direita na corrida presidencial travou o crescimento de Geraldo Alckmin e levou o PSDB a começar o ano eleitoral com seu pior desempenho em 24 anos.

Fatias do eleitorado tradicionalmente identificadas com os tucanos (renda mais alta, maior escolaridade e concentração na região centro-sul) foram ocupadas, até agora, por rivais como Jair Bolsonaro (PSC), Alvaro Dias (Podemos) e Marina Silva (Rede).

Alckmin apresentou resultados tímidos nesses segmentos e ficou estagnado em uma faixa de 6% a 11% das intenções de voto totais na pesquisa do Datafolha divulgada na última quarta-feira (31).

Os números representam a pior estreia do PSDB na corrida presidencial desde 1994, quando Fernando Henrique Cardoso apareceu nas primeiras pesquisas do ano no patamar de 8% a 10%. Nas eleições seguintes, os candidatos tucanos estrearam com percentuais maiores --o mais baixo deles foi o de Aécio Neves, em 2014 (14% a 17%).

A estagnação de Alckmin é motivada pela divisão entre vários candidatos do eleitorado que os tucanos pretendem conquistar nessa campanha.

Uma das principais dificuldades apontadas pela equipe do governador paulista é o desempenho do senador Alvaro Dias (Podemos). Ex-tucano, ele bateu 5% das intenções de voto e chega a 16% na região Sul -onde Alckmin tem seu pior desempenho regional (5%).

Para aliados do governador paulista, Dias dominou um eleitorado que votou no PSDB em eleições anteriores e poderia turbinar, desde já, o crescimento de Alckmin nas pesquisas.

O tucano também é superado por Jair Bolsonaro em grupos onde esperava obter apoio, como o eleitorado com curso superior e renda mais alta. Nesses segmentos, o desempenho do deputado do PSC fica acima da média e a rejeição a Alckmin sobe.

Entre eleitores com ensino superior, 35% dizem que não votariam no tucano "de jeito nenhum". Esse percentual é menor nos grupos que concluíram o ensino fundamental (23%) ou o ensino médio (24%).

Tucanos acreditam que esses números são resultado de um desconhecimento do nome de Alckmin entre eleitores com menos anos de escolaridade, mas admitem que o bom desempenho de Bolsonaro nesses segmentos atrapalha o governador paulista.

Alckmin ainda disputa uma parte do eleitorado com Marina Silva, principalmente em grupos de menor renda e de municípios do interior. Auxiliares do tucano acreditam que o governador pode disputar votos com a ex-senadora entre eleitores religiosos que têm posição conservadora em alguns aspectos morais.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber