Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Política

Vaquinhas e clube de tiro bancam outdoors pró-Bolsonaro pelo país

.

JOÃO PEDRO PITOMBO E MARCO RODRIGO ALMEIDA

SALVADOR, BA, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fogos de artifício riscam o céu do sertão cearense. Em fila, veículos seguem em carreata, enquanto um grupo vestido de verde e amarelo grita o nome do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Não é um ato de campanha. O grupo está apenas "inaugurando" um outdoor em apoio ao candidato, instalado numa das principais avenidas de Sobral, quinta maior cidade do Ceará e principal reduto de outro presidenciável: Ciro Gomes (PDT).

Em Garanhuns (PE), cidade natal do ex-presidente Lula (PT), uma placa foi instalada na entrada na cidade: "É melhor Jair se acostumando".

Peças em homenagem ao pré-candidato a presidente Jair Bolsonaro, primeiro colocado nas pesquisas no cenário sem Lula, espalharam-se pelo país. A reportagem contabilizou pelo menos uma centena cidades que já receberam outdoors com a imagem do deputado e frases que exaltam sua carreira.

O movimento tem maior força no Nordeste -só em Pernambuco há placas em 17 cidades, incluindo um outdoor digital no Recife.

As propagandas são pagas por grupos de direita, que se mobilizam em vaquinhas virtuais e vendas de camisas e adesivos para arrecadar fundos. Mas também há propagandas bancadas por entidades civis -o Atire (Associação de Tiro do Recife) pagou o outdoor virtual na capital pernambucana.

Todos os movimentos ouvidos pela reportagem afirmam que Bolsonaro não tem participação nesses atos e nem contribuiu financeiramente com eles.

Somente no site "Vakinha", há 34 grupos arrecadando recursos para instalar um outdoor de Bolsonaro, cujo custo varia de R$ 600 a R$ 2.000. Movimentos de Natal (RN), Taubaté (SP) e Poços de Caldas (MG) já bateram a meta para bancar a publicidade.

JUSTIÇA

Os outdoors têm sido questionadas em alguns Estados pelo Ministério Público Eleitoral, que considera as homenagens uma forma de propaganda eleitoral antecipada. A propaganda eleitoral só será liberada a partir de 16 de agosto. Durante a campanha, porém, os outdoors são proibidos.

As placas foram alvo de ações na Justiça Eleitoral da Bahia, de Rondônia, de São Paulo e do Espírito Santo. No caso baiano, foram consideradas legais pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em decisão monocrática do ministro Luiz Fux.

O ministro argumentou que a lei eleitoral de 2015 só considera propaganda antecipada o pedido explícito de voto.

Para o procurador Regional Eleitoral da Bahia, Cláudio Gusmão, mesmo sem pedido expresso de voto, os outdoors têm nítido pretexto eleitoral. Ele critica a decisão do TSE de liberar as propagandas.

"É paradoxal que um tipo de mídia que é proibida no período eleitoral seja usada pra promover pré-candidatos fora do período de campanha", afirma.

Para evitar a classificação como propaganda eleitoral antecipada, os grupos de direita dão dicas: as placas não podem ter as palavras "vote", "presidente" e, se possível, melhor evitar até mesmo "2018".

GRUPOS DE DIREITA

O fenômeno dos outdoors demonstra a proliferação de grupos de direita e a sua organização no país após as manifestações de 2013. O Direita Ceará, por exemplo, já superou a fase da internet e tem até sede própria.

Presidente do Endireita Pernambuco, Nelson Monteiro Neto, 33, afirma que os outdoors são uma forma de levar as ideias de Bolsonaro a quem não o conhece. E diz que o deputado tem tido boa aceitação, até mesmo entre os eleitores que tradicionalmente votam em Lula.

"Por incrível que pareça, conheço muita gente que ia votar em Lula e agora apoia Bolsonaro", afirma.

Rafael Yonekubo, 37, coordenador do Direita Mato Grosso, tem opinião semelhante: "Sou comerciante e percebo que 70%, 80% de meus clientes são conservadores, mas não sabiam disso. Quando apresento as ideias do deputado, eles estão em total acordo."

O Direita Mato Grosso já instalou cinco outdoors de Bolsonaro no Estado, com frases como "Nossa bandeira nunca será vermelha", "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos" e a já tradicional "É melhor Jair se acostumando". O grupo é contra a legalização das drogas, a descriminalização do aborto e o ensino da ideologia de gênero nas escolas, ideário também caro a Bolsonaro.

Algumas atitudes do deputado, contudo, dividem opinião de seus integrantes, como os elogios à ditadura militar e ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos principais símbolos da repressão naquele período.

"No grupo até há uma pequena parcela que defende uma intervenção militar, caso o Bolsonaro não seja eleito. Mas não é nossa opinião oficial. Defendemos a democracia e a economia de mercado, valores que o Bolsonaro representa", diz Yonekubo.

O Direita Amazonas bancou duas placas digitais em Manaus no final do ano passado. Irá instalar neste fim de semana um outdoor em defesa de Bolsonaro em Coari, no interior do Estado.

"Defendemos um ideário conservador, focado na liberdade do indivíduo e do mercado. Bolsonaro é a figura mais próxima disso. Mas temos o cuidado de não sermos 'os idiotas úteis'. Não o idolatramos, mas vemos nele uma forma de ruptura na sociedade", diz o presidente do movimento, Carlos Lucoli, 34.

PERCALÇOS

Alguns dos grupos chegam a enfrentar percalços em seu apoio explícito a um candidato tão controverso.

Em Juazeiro (BA), Dourados (MS) e Rio Branco (AC), as placas de propaganda foram vandalizadas por opositores, que deixaram mensagens como "Tortura nunca mais" e "Bolsonazi" nos outdoors.

Em Poços de Caldas, a foto do deputado ganhou um bigode semelhante ao de Adolf Hitler. Em São Carlos (SP), os opositores foram mais irreverentes: Bolsonaro está agora de batom, brincos e colar numa das esquinas da cidade.

No sudoeste baiano, os eleitores prometeram substituir um outdoor danificado por outros dois: "Bolsonaro em dobro", informou o perfil do grupo Direita Jequié.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber