Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Política

Primavera de Praga começou há 50 anos, com eleição de Dubcek

.

Primavera de Praga começou há 50 anos, com eleição de Dubcek - Foto Folha de São Paulo
Primavera de Praga começou há 50 anos, com eleição de Dubcek - Foto Folha de São Paulo

DIOGO BERCITO

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) - Quando foi eleito primeiro-secretário do Partido Comunista da Tchecoslováquia há 50 anos, em 5 de janeiro de 1968, Alexander Dubcek representava uma esperança de mudança, propondo um "socialismo com rosto humano".

A Primavera de Praga, como aqueles meses passaram a ser conhecidos, murchou rapidamente com a chegada dos tanques soviéticos e com o ostracismo de Dubcek, mas ainda persiste como um exemplo de movimento social.

Em retrospecto, a repressão à reforma tcheca foi um dos sinais da falência do modelo soviético. A ideia de resistência não violenta, por sua vez, inspirou as revoluções de duas décadas depois, levando ao fim da União Soviética.

Nascido em 27 de novembro de 1921 em Uhrovec, o eslovaco Dubcek foi educado no atual Quirguistão, que era então um território soviético. Ele participou da resistência à ocupação nazista durante a Segunda Guerra (1939-1945) e rapidamente ganhou destaque no Partido Comunista.

Dubcek tinha 47 anos quando foi eleito primeiro-secretário da sigla, já em meio ao debate sobre a liberalização do país, que vivia uma grave estagnação econômica. Ele era uma forte promessa por ser ao mesmo tempo um veterano e um reformador.

A Tchecoslováquia (hoje dividida em República Tcheca e Eslováquia) era governada pelo Partido Comunista, que havia nacionalizado a economia de acordo com linhas soviéticas -um projeto acompanhado de magras liberdades individuais.

Com o aval do ex-presidente Ludvík Svoboda, Dubcek iniciou um programa de liberalização, engatilhando o movimento popular da Primavera de Praga.

O projeto incluía um mercado mais aberto, liberdade de expressão mais ampla e um governo mais democrático, duas décadas depois da chegada do Partido Comunista ao poder em 1948.

Foram oito meses de Primavera, durante os quais o país viveu um intenso otimismo, refletido na obra "A Insustentável Leveza do Ser", de Milan Kundera. "Depois de 20 anos era possível respirar e falar livremente", disse em 1998 o ex-presidente Václav Havel (1936-2011)

O sonho definhou, no entanto, quando a União Soviética se deu conta do potencial de que a Primavera de Praga crescesse até se tornar uma revolução. Leonid Brejnev, líder soviético àquela época, decidiu agir.

O Pacto de Varsóvia (equivalente do bloco comunista à Otan, a aliança militar ocidental) enviou 500 mil tropas e 6.000 tanques ao país, enfrentando a resistência pacífica organizada por Dubcek.

Acuado, ele foi forçado a assinar um termo em que gradualmente revertia suas reformas -algo que anunciou à população em um emocionado discurso. Um ano depois, Dubcek foi substituído no cargo de primeiro-secretário do partido pelo pró-soviético Gustav Husak. Mais tarde, foi expulso da sigla.

Foram anos de ostracismo e de crítica vinda de sua própria base, que lhe acusava de ter se dobrado muito facilmente à pressão de Moscou e abandonado a reforma que daria o tal "rosto humano" ao socialismo.

Em 1989, com o fim do comando comunista, Dubcek foi eleito líder da Assembleia Federal, o que ele viu à época como uma continuação de sua Primavera. A transição, afinal, foi em parte possível a partir de seu exemplo de resistência pacífica.

Dubcek morreu em 7 de novembro de 1992 devido a um acidente de carro. Dois meses depois, a Tchecoslováquia foi dividida -ele era cotado para presidir a Eslováquia.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber