Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

Colaboração não é a primeira opção, afirma defensor pioneiro

.

FELIPE BÄCHTOLD E JOSÉ MARQUES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O nome do paranaense Antonio Figueiredo Basto consta como advogado de 4 dos 11 réus em uma das ações penais da Operação Lava Jato já sentenciadas pelo juiz Sergio Moro, de Curitiba.

Seu cliente de mais destaque foi o doleiro Alberto Youssef, principal acusado na primeira fase da operação, em março de 2014.

A partir dali, ele passou a trabalhar para outros alvos da operação implicados nos depoimentos e investigações das primeiras fases da Lava Jato.

"Depois do primeiro acordo, com o resultado, vários outros vieram atrás. Por isso acabou tendo uma vasta clientela na Lava Jato", diz Figueiredo Basto, que afirma que a delação nunca é a primeira opção.

O advogado afirma que não há conflito de interesses entre seus diversos clientes na Lava Jato e afirma que isso é levado em conta na hora de uma nova contratação.

Também nas primeiras fases da Lava Jato, outro escritório que atendia delatores e candidatos a delação era o da advogada de São Paulo Beatriz Catta Preta, que desistiu das defesas em 2015, alegando motivos de segurança.

Em alguns casos, Figueiredo Basto atua em parceria com o escritório dos sócios Adriano Bretas e Tracy Reinaldet.

PROCURA

Bretas diz estar envolvido na operação "desde o primeiro dia", já que advogava anteriormente para Rafael Angulo Lopez, condenado pela atuação, junto ao doleiro Youssef, relacionada à entrega de dinheiro.

"Os advogados de modo geral são muito refratários a fazer acordo de colaboração premiada. Por conta dessa resistência dos colegas, poucos escritórios adeririam e, devido à escassez, a gente acabou sendo muito procurado", diz.

Ele rejeita o rótulo de "especialista" em delação e afirma que se sua "raiz" é o trabalho em tribunal de júri.

Outro pioneiro em delações no Paraná, que também rejeita ser chamado de especialista, é Marlus Arns.

Arns, que fechou a delação de ex-executivos da Camargo Corrêa e advogou para o ex-deputado Eduardo Cunha, defende o instrumento judicial do acordo —mas está há um ano e meio sem fechar delações e orienta que os clientes não as façam.

Seu argumento é que o instituto precisa de maior segurança jurídica —com regulação, por meio de lei ou decisões de tribunais superiores— e limitação de quantidade. Só na Lava Jato de Curitiba, já foram firmados 158 acordos.

"A delação é um caminho para encurtar a investigação, mas está sendo usada para não se ter o trabalho de investigar", critica.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber