Mais lidas
Política

Alckmin perdeu palavras após morte do filho, diz Lu em livro

.

JOELMIR TAVARES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com "uma dor que nunca havia sentido antes", Lu Alckmin deixou Campos do Jordão (SP) rumo à capital no dia 2 de abril de 2015 com a certeza de que o filho caçula, Thomaz, não estava mais vivo.

A mulher de Geraldo Alckmin (PSDB) tinha recebido do governador de São Paulo uma mensagem cifrada pelo telefone. "Ele não me contou nada. Somente pediu: 'Lu, volte para São Paulo'", lembra a primeira-dama em "Amor Que Transforma" (ed. Academia), livro que ela está lançando.

Católica, Lu diz ter entendido naquela hora, enquanto esperava a família na cidade do interior, que a "coisa ruim" que vinha sentindo era a morte do filho -aos 31 anos, na queda de um helicóptero atribuída pelas investigações a problemas em componentes.

Alckmin, relata ela na obra de 176 páginas, perdeu as palavras ao avisá-la do acidente. "Ele não conseguia me dizer mais nada. Só pedia para eu voltar. Para eu ir direto para casa. Lá ele me falaria tudo."

As menções à reação do governador são econômicas. Mas Lu afirma que os dois se apoiaram muito no luto. O tucano disse à Folha de S.Paulo em 2015 que passou a fazer mais orações depois da perda -rezava o pai-nosso até 20 vezes ao dia.

No capítulo "Geraldo, meu grande amor, e a família que construímos", a autora diz que o marido até hoje segue os conselhos do pai para a carreira política: ter "coragem" e "vida pessoal modesta".

O site recém-lançado pelo PSDB para promover a pré-candidatura do tucano a presidente da República combate a versão de que ele seria o "Santo" na lista da Odebrecht, apresentada por delatores.

Num trecho de bom humor do livro, o depoimento de Sophia Alckmin, a filha mais velha do casal, deixa transparecer o apego do pai a tradições. A blogueira recorda o empurrão de Thomaz para ela morar sob o mesmo teto do noivo antes de se casarem, em 2007.

Alckmin "não estava muito confortável" com a ideia, escreve Sophia. Um dia, Thomaz colocou as coisas dela em caixas e mandou a irmã para a casa do hoje marido. "Na verdade, ele [Thomaz] queria o meu quarto. Já tinha 20 anos e não aguentava mais dividir com o Geraldo [Neto], nosso irmão."

AMOR QUE TRANSFORMA

AUTORA Lu Alckmin

EDITORA Academia (176 págs.)

QUANTO R$ 34,90

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber