Mais lidas
Política

Para ministro, defesa de intervenção militar por general é 'caso encerrado'

.

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira (22) que é "caso encerrado" a declaração do general Antonio Hamilton Mourão em defesa de uma "intervenção militar" caso o problema da corrupção não seja solucionado no país.

Segundo ele, o comandante do Exército Brasileiro, Eduardo Villas Bôas, que decidiu não punir o general da ativa, "tomou as providências necessárias" sobre a polêmica.

"Eu reuni com o comandante do Exército Brasileiro, ele tomou as providências necessárias e esse caso está encerrado", disse.

Como revelou a Folha de S.Paulo, o general afirmou que seus "companheiros do Alto Comando do Exército" entendem que uma "intervenção militar" poderá ser adotada se o Poder Judiciário "não solucionar o problema político".

Mourão disse que poderá chegar um momento em que os militares terão de "impor isso" [ação militar] e que essa "imposição não será fácil".

Segundo ele, seus "companheiros" do Alto Comando do Exército avaliam que ainda não é o momento para a ação, mas ela poderá ocorrer após "aproximações sucessivas".

Na quinta-feira (21), em reação ao general, Villas Bôas disse que o Exército Brasileiro está comprometido com a democracia.

Segundo ele, "o comandante é a autoridade responsável por expressar o posicionamento institucional das Forças Armadas e tem se manifestado publicamente sobre os temas que considera relevantes".

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber