Mais lidas
Política

Joesley Batista e Ricardo Saud se apresentam à PF em São Paulo

.

Joesley Batista. Foto: Adriano Machado - Foto: Reuters
Joesley Batista. Foto: Adriano Machado - Foto: Reuters

Os delatores da J&F Joesley Batista e Ricardo Saud chegaram à sede da PF em São Paulo na tarde deste domingo (10).

Eles chegaram ao prédio da Polícia Federal na zona oeste da cidade, em seus carros, por volta das 14h.

Os dois vinham negociando como se apresentariam a polícia após a ordem de prisão expedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, neste domingo.

Segundo a PF, eles não vão a Brasilia neste domingo (10). A expectativa é que sejam transferidos para a capital federal na segunda-feira (11) em um avião da Polícia Federal.

Joesley esteve no fim de semana em um edifício na região dos Jardins, em São Paulo.

Na casa dele, no bairro Jardim Europa, não houve movimentação pela manhã. Três carros saíram do imóvel, o último deles, um Porsche, dirigido pela jornalista Ticiana Villas Boas, mulher de Joesley.

O ministro Edson Fachin decidiu decretar a prisão do empresário e de Saud após ver "indícios suficientes de que os colaboradores omitiram" informações sobre a participação do ex-procurador Marcelo Miller no processo de delação premiada da JBS.

Na última segunda-feira (4), Janot anunciou a abertura de investigação para apurar possíveis irregularidades nas negociações da colaboração firmada com o Ministério Público.

O centro da crise é uma gravação, datada de 17 de março, em que Joesley e Saud indicam possível atuação de Miller no acordo de delação quando ainda era procurador -ele deixou o cargo oficialmente em 5 de abril. O áudio foi entregue pelos delatores no dia 31 de agosto.

Para a equipe de Janot, houve patente descumprimento de dois pontos de uma cláusula do acordo de delação que tratam de omissão de má-fé, o que justificaria rever os benefícios.

Os três, Joesley, Saud e Miller prestaram depoimentos entre quinta (8) e sexta (9). Janot não se convenceu dos argumentos. Para ele, há indícios fortes de que Miller participou sim da elaboração do acordo de colaboração.

ENCONTRO

No sábado (9), Janot e o advogado de Joesley Batista, Pierpaolo Bottini, se encontraram em um bar em Brasília, um dia depois de a Procuradoria pedir a prisão do cliente dele e de Saud.

A informação foi divulgada pelo site "O Antagonista", que reproduziu uma foto do encontro.

Bottini confirmou à Folha de S.Paulo o encontro. O advogado assinou a petição protocolada no Supremo, após o pedido de prisão feito por Janot, em que colocou o passaporte de Joesley à disposição e pediu audiência com o ministro Edson Fachin, que decretou a prisão do empresário e de Saud.

OUTRO LADO

Em nota, Joesley Batista e Ricardo Saud afirmam que se apresentaram voluntariamente à PF e que não mentiram nem omitiram informações no processo que levou ao acordo de colaboração premiada. Afirmam, ainda, que estão cumprindo o acordo.

"Em todos os processos de colaboração, os colaboradores entregam os anexos e as provas à Procuradoria e depois são chamados a depor. Nesse caso, Joesley Batista e Ricardo Saud ainda não foram ouvidos" , diz a nota.

Ambos afirmam que entregaram aos investigadores uma série de anexos complementares, além dos áudios, e estão à espera de serem chamados para serem ouvidos.

"O empresário e o executivo enfatizam a robustez de sua colaboração e seguem, com interesse total e absoluto, dispostos a contribuir com a Justiça", finaliza a nota.

O advogado de ambos, Antonio Carlos Almeida de Castro, o Kakay, que assumiu a defesa dos executivos, afirma que eles prestaram declarações e se colocaram sempre à disposição da Justiça.

"Não pode o dr. Janot agir com falta de lealdade e insinuar que o acordo de delação foi descumprido", afirmou.

Kakay disse que o pedido de prisão "é mais um elemento que forte que levará a descrença e a falta de credibilidade do instituto da delação".

"A proposta de quebra unilateral, sem motivo, por parte do Estado, no caso representado pelo procurador-geral, gera uma insegurança geral para todos os delatores", afirmou.

Segundo Kakay, Joesley Batista e Ricardo Saud agiram "com lealdade e continuam à disposição do Poder Judiciário ressaltando a confiança no Supremo Tribunal".

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber