Facebook Img Logo
Mais lidas
Política

ATUALIZADA - Atos contra e em favor de petista têm pouca participação

.

SÃO PAULO, SP, E CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A baixa mobilização de apoiadores e de opositores do ex-presidente Lula nas ruas de São Paulo contrastou com o impacto da notícia da condenação do petista pelo juiz Sergio Moro.

Na avenida Paulista, que teve pedaço em frente ao Masp fechado pela PM, algumas centenas de pessoas se reuniram em frente a um carro de som de PT e movimentos de esquerda. No alto, discursou Guilherme Boulos, líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

"Acabei de falar no telefone com o presidente Lula. É absolutamente escandaloso o que se consumou hoje", começou Boulos.

Segundo ele, o juiz Sergio Moro "se comportou como um promotor desde o princípio". "Foi uma farsa judicial. Mesma coisa que um juiz vestir a camisa de um dos times."

Boulos afirmou que "querem tirar o Lula das eleições no tapetão". "Hoje condenaram o Lula e ontem o Aécio Neves estava no Senado votando para tirar o direito dos trabalhadores", disse, ovacionado pelos presentes.

A alguns metros dali, em frente à Fiesp, palco dos protestos pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, cerca de 50 pessoas comemoraram a condenação.

Munidos com bandeiras do Brasil, bonecos "Pixuleco" e cartazes com fotos do juiz Sergio Moro e inscrições como "Lula na cadeia", "Fim do foro privilegiado" e "2018 vamos dedetizar o congresso", o grupo soltou fogos e incentivou quem passava de carro a buzinar.

Em São Bernardo do Campo, berço político e local de residência de Lula, a presença de militantes também foi pouco significativa.

Entre oito e dez militantes ficaram conversando na calçada do prédio em que mora o ex-presidente, cantando pagodes, chamando Lula de "papai" e revidando quando um motorista passava xingando pela janela do carro.

A ideia dos apoiadores era de passar a noite em vigília, evitando "ovadas e pichações" dos prédios.

FESTA

Em Curitiba, a notícia da condenação de Lula foi comemorada com fogos, distribuição de coxinhas, bolo e champanhe.

Duas baterias de fogos de quase mil tiros foram queimadas em frente à sede da Justiça Federal, onde despacha o juiz Moro.

Trezentas coxinhas foram distribuídas e manifestantes apagaram uma vela de nove anos de um bolo de aniversário -em alusão aos anos estipulados por Moro na decisão.

Cerca de 400 pessoas passaram pelo local ao longo do dia, segundo Denise Souza, coordenadora do MBL (Movimento Brasil Livre) em Curitiba. O ato, que começou às 18h, foi encerrado às 20h.

Movimentos que defendem Lula não marcaram atos para esta quarta (12) em Curitiba.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Política

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber